Notícias eventos

 

Imagem de pessoas em frente a sede

Comitiva de Cabo Verde conhece o Sicoob Credichapada

O Sicoob Credichapada, com sede em Chapada Gaúcha (MG), recebeu na última semana uma comitiva com representantes do Sistema OCB, Banco Central do Brasil (BCB), Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCOOP) e Banco Central de Cabo Verde. A visita teve como intuito apresentar as boas práticas do cooperativismo de crédito brasileiro aos membros do país africano e  proporcionou momentos de diálogo, troca de experiências e fortalecimento de laços entre os presentes.

A trajetória do Sicoob Credichapada é marcada pelo empreendedorismo e pela determinação de um grupo de empresários e produtores rurais. Criada em 2011, com intensa mobilização e esforços para superar desafios logísticos em uma região distante de serviços financeiros, a cooperativa cresceu e expandiu sua atuação para municípios vizinhos e se tornou referência no cooperativismo de crédito.

O presidente da instituição, Marcos Aurélio Maier, expressou sua alegria em receber a comitiva e destacou o compromisso da cooperativa com a construção de um modelo sustentável. "É importante contribuir para o fortalecimento das cooperativas de crédito para além das fronteiras nacionais. A visita reforçou nossa crença na força desse modelo de negócios em que o equilíbrio econômico e social buscam resultados em conjunto com as pessoas e não através delas", disse.

 João Luiz Faustino, representante do Banco Central do Brasil, enfatizou o papel social desempenhado pela unidade do Sicoob Credichapada. "A unidade promove sua função social e contribui com o desenvolvimento socioeconômico de seus cooperados, da comunidade  e da região", ressaltou.

O gerente de monitoramento e informações da FGCoop, Davi Oliveira, destacou a importância da capacitação de jovens no contexto cooperativista e salientou como a cooperativa dá suporte positivo à comunidade. "É importante ver como a capacitação de jovens por meio dos princípios do cooperativismo e a sustentabilidade da região fazem parte do desenvolvimento de toda a sociedade que gira em torno do Sicoob Credichapada" relatou.

Para a analista do Ramo Crédito do Sistema OCB, Feulga Reis, a visita promoveu uma percepção sobre como o cooperativismo é aplicado na prática. "Esse modelo de negócios impacta na vida das pessoas, muda realidades e promove prosperidade onde é aplicado".

Logomarca do evento

Selo SomosCoop Excelência em Gestão reconhece jornada de boas práticas

Com a criação do Prêmio SomosCoop, o selo SomosCoop Excelência em Gestão se tornou um distintivo de honra para as cooperativas que buscam aprimorar suas práticas em governança e gestão. Desde que nasceu, o selo representa uma resposta às necessidades expressas pelo Sistema OCB e pelas Organizações Cooperativas Estaduais (OCEs) que participam ativamente do Comitê responsável pelo desenvolvimento do diagnóstico de Governança e Gestão.

A instituição do selo foi motivada pela busca de uma declaração visível e formalizada das ações efetivamente realizadas pelas cooperativas para aprimorar seus processos de governança e gestão, com vistas a melhoria das suas atividades e aumento da competitividade. Ele desempenha o papel de chancela e certifica que uma cooperativa atende aos padrões elevados que são estabelecidos pelos critérios de avaliação, embasados no Modelo de Excelência em Gestão (MEG).

O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, acredita que uma das características mais notáveis da premiação é a versatilidade na comunicação. Para ele, as cooperativas premiadas possuem a liberdade de utilizar o selo em diversos contextos, desde materiais promocionais e websites, até relatórios anuais e eventos públicos. “Essa flexibilidade permite que a excelência em gestão seja destacada e reconhecida de maneira abrangente. Por isso, não é apenas uma marca, é um simbolismo de transparência, credibilidade e compromisso de uma cooperativa em implementar e evoluir as melhores práticas reconhecidas pelo mercado, com a finalidade de gerar confiança aos membros, parceiros e à comunidade em geral”, destaca.

Pamella de Lima, coordenadora de Negócios do Sistema OCB, explica que o selo funciona como uma apreciação e uma valorização para o nome das cooperativas que o recebem. “A  governança das cooperativas valoriza o selo como um reconhecimento do trabalho dos técnicos, das pessoas que fazem a cooperativa existir. É como uma recompensa pelo bom trabalho que está sendo feito”.

Ainda segundo Pamella, a existência contínua do Selo SomosCoop Excelência em Gestão reflete o compromisso do movimento cooperativista em evoluir e se adaptar ao processo de avaliação constante e a renovação periódica, o que garante a relevância e a representatividade das melhores práticas de gestão cooperativista. “Ele funciona como um testemunho da jornada empreendida pelas cooperativas para aprimorar suas práticas administrativas e, ao longo dos anos, se tornou um símbolo reconhecido de experiência e eficiência no setor. Essa busca pela excelência beneficia as cooperativas individualmente e contribui para o fortalecimento e o prestígio do cooperativismo como um todo”, complementa.

 

Imagem de funcionários do Sicoob no auditório do Sistema OCB

Portas Abertas recebe Sicoob Credi-Rural de Rio Verde

O projeto Portas Abertas é uma iniciativa do Sistema OCB que busca estreitar laços entre as cooperativas, as Organizações Estaduais e as atividades desenvolvidas pela unidade nacional. Nesta terça-feira (28), os cooperados do Sicoob Credi-Rural de Rio Verde (GO)  foram recebidos em Brasília, pela Casa do Cooperativismo, para participar de um café da manhã antecedido por palestra ministrada pela gerente-geral do Sistema OCB, Fabíola Nader Motta.

Fabíola falou sobre o futuro do cooperativismo e as tendências de consumo. "O consumidor é um cliente e também um futuro cooperado. Estamos vivendo uma era em que as pessoas buscam produtos e serviços com experiências significativas. Nesse contexto, precisamos enxergar a oportunidade de fortalecer ainda mais o nosso movimento, muito além de transações comerciais, mas com relacionamentos sólidos e duradouros", explicou.

Ester Profeta da Fonseca, integrante do comitê de mulheres Elas pelo Coop do Sicoob Credi-Rural de Rio Verde, declarou que a visita foi importante para entender melhor a importância do cooperativismo no país. "Conhecer a OCB é uma oportunidade para compreender a estrutura da nossa sede aqui na capital. Aprendemos muito sobre o sistema cooperativista e conseguimos ter uma noção maior do impacto desse modelo de negócio na vida de tantas pessoas", disse. 

Para Thiago Borges, cooperado do Sicoob Credi-Rural, a visita proporcionou experiências significativas e networking, além do conhecimento sobre iniciativas cooperativistas que são pouco difundidas no Brasil, mas com imensa importância para a sociedade. "A palestra esclareceu a atuação do Sistema OCB e de que forma ele representa o cooperativismo. Acredito que essa vivência é essencial para construirmos um cooperativismo mais sólido e voltado para o bem comum", ressaltou.

Logomarca do evento

Cooperativas de crédito debatem sobre excelência do setor

O Sistema OCB promoveu, em conjunto com o Banco Central do Brasil, o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop) e a Confebras, o 8º Fórum Técnico Conjunto sobre Performance e Excelência Operacional nas Cooperativas de Crédito. O evento foi realizado no auditório do Banco Central do Brasil (BCB), nos dias 27 e 28 de novembro, em Brasília e foi uma oportunidade para a troca de ideias e experiências, com o propósito de aprimorar as práticas operacionais e buscar a excelência nas cooperativas de crédito com foco na inovação e aprimoramento das atividades desenvolvidas.

Em sua apresentação, Fabíola Nader Motta, gerente-geral do Sistema OCB, ressaltou a importância do papel desempenhado pelo Banco Central, FGCOOP (Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito), Confebras (Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito) e demais parceiros presentes. "A colaboração entre essas entidades é fundamental para superar desafios, promover boas práticas e consolidar a confiança, tanto dos cooperados quanto da sociedade em geral", disse.

Durante o evento, foram apresentados painéis sobre performance no Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), excelência operacional, fundos garantidores no Brasil e no mundo, bem como iniciativas da Confebras na linha da intercooperação.

A gerente de Marketing e Comunicação, Samara Araujo, expôs sobre pesquisa realizada pelo Sistema OCB acerca do nível de conhecimento sobre o cooperativismo de crédito pela sociedade. O trabalho é uma iniciativa da Câmara Temática de Comunicação e Marketing do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (CECO), e gerou grande interesse dos que acompanharam o evento. "O resultado dessa pesquisa demonstra que precisamos nos lembrar de fazer a diferença na vida financeira de cada indivíduo por meio da nossa marca. Precisamos difundir o cooperativismo de crédito na sociedade, com um trabalho que reforce o segmento", destacou.

Thiago Borba, coordenador do Ramo Crédito no Sistema OCB, falou sobre a abertura e parceria da autoridade supervisora com o segmento e ressaltou o trabalho colaborativo no aprimoramento do arcabouço normativo do SNCC, juntamente com com outros atores, em especial, do Banco Central. "O Banco Central se prontifica, sempre que necessário, a ouvir, debater e refinar a melhores condições para o supervisor e para o supervisionado", afirmou.

Na mesa de encerramento, Ailton Aquino, diretor de Fiscalização do Banco Central, citou o cooperativismo de crédito como um ator importante no desenvolvimento socioeconômico do país, principalmente em níveis regionais. "O ramo causa impactos significativos em todas as regiões do Brasil. Reforço aqui o compromisso de trabalharmos juntos para o crescimento do segmento", declarou.

Geração C apresenta balanço sobre conquistas de 2023

O Comitê Nacional de Jovens Geração C se reuniu na quinta-feira (23) para compartilhar conquistas e direcionar os próximos passos em prol do fortalecimento do cooperativismo entre os jovens. Com representantes ativos em 16 unidades federativas e seis comitês estaduais já consolidados (GO, MG, PR, RJ, AM, RS), o grupo recapitulou o engajamento da juventude cooperativista durante o ano de 2023.

A reunião foi iniciada com um panorama sobre o que foi feito, desde a elaboração de diretrizes, o foco em capacitação e a representação institucional, até o incentivo de intercooperação. Para Alana Adinaele , coordenadora do comitê, a parceria com as Organizações Estaduais (OCEs) para atuação dos jovens garante força e troca de boas práticas entre regiões. "A nossa união fortalece ainda mais o movimento e promove um ambiente de crescimento e inovação no cooperativismo", disse.

As iniciativas realizadas pelos integrantes dos comitês foram apresentadas por regiões. A região Norte possui quatro representantes que, juntos, alcançaram bons objetivos, como a constituição do primeiro núcleo de jovens em Tefé/PA e a criação do comitê estadual no Amazonas. O colegiado foi apresentado, inclusive, em encontro promovido pelo Sistema OCB/PA durante a 3ª Feira de Negócios do Cooperativismo Paraense (Fencoop).

Já a representante da região Nordeste, Daniele Scopel (do Sicoob Costa do Descobrimento/BA), participou, juntamente com Larissa Zambiasi, integrante do Comitê representando o do RS, do 7º Encontro Brasileiro de Cooperativismo que teve como tema: Sustentabilidade no Cooperativismo: Competitividade, Inovação e Diversidade. Elas apresentaram o Relato de Experiência sobre o comitê Geração e a implantação do Programa Mulheres Cooperativistas na Cooperativa de Crédito Sicoob Costa do Descobrimento.

Na região Centro-Oeste, um dos destaques foi a realização do encontro de jovens cooperativistas em Goiás, com mais de 100 participantes de dez cooperativas da região. O papel do comitê foi abordado no evento, assim como a necessidade de renovação do quadro social nas cooperativas. O pós encontro prevê o mapeamento da participação e a capacitação do jovens para serem pontos focais em suas cooperativas.

Ainda no Centro-Oeste também foi evidenciada a participação de Thays Ferreira, cooperada jovem da CNTCoop no WCM2023, Congresso Internacional World Coop Management considerado o mais importante congresso de lideranças e estratégia do cooperativismo brasileiro. A jovem teve a oportunidade de falar sobre sua participação no Comitê Nacional de Jovens do Sistema OCB e também divulgar a criação do Comitê Nacional da Mulher no Ramo Transporte durante o programa Coopcafé, Realizado no palco 360.

Na Região Sudeste, o destaque foi para a contribuição dos membros do Comitê Estadual na organização do 17º Encontro Estadual de Jovens Cooperativistas de Minas Gerais e a participação de Ana Paula Faria, da Cooperativa Educacional de São Roque de Minas, como painelista no WCM. Sua participação foi no palco Mundo e o tema do painel Inspirando o Futuro. A constituição do Comitê Estadual do Rio de Janeiro, oficializado durante reunião do Conselho da OCB/RJ foi outro ponto salientado. Os jovens foram, inclusive, convidados para coordenar a reunião.

Os eventos assinalados pela região Sul foram o lançamento do Elas Pelo Coop na Cooperativa Vinícola Aurora; a constituição do comitê estadual de jovens no Paraná; e as participações no CooperLíder Jovem e no Encontro Nacional das Cooperativas Agropecuárias (Enca). Neste último, Larissa Zambiasi representou o Sistema OCB e participou do painel Conectando Jovens ao Modelo Cooperativista: o Desafio da Sucessão.

A analista da Gerência de Desenvolvimento de Cooperativas, Divani de Souza , expressou sua felicidade pela dinâmica do movimento e ressaltou a importância da juventude cooperativista. "Ver a ampliação da participação dos jovens e o engajamento de vocês é ter certeza de que podemos confiar em uma transformação econômica e social, assim como garantir o futuro do cooperativismo", declarou.

Divani também apresentou o lançamento da trilha Jornada de formação Jovem Liderança, disponível na Plataforma CapacitaCoop , que está organizada no tripé: liderança, cooperativismo e desenvolvimento pessoal. Esta é mais uma iniciativa do Sistema OCB para estimular cada vez mais o desenvolvimento da juventude cooperativista. A coordenação do colegiado estimulou os integrantes a percorrerem toda a trilha até março de 2024.

De acordo com Divani, o compromisso com a Jornada de formação reflete também o compromisso do comitê com o seu desenvolvimento. "Acredito que a partir do compromisso de cada integrante com o seu desenvolvimento pessoal, a juventude cooperativista continua uma estruturação de caminho promissor para o cooperativismo no Brasil", concluiu.

Vem aí a entrega do Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão

A cerimônia de entrega do Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão, promovido pelo Sistema OCB, será realizada no próximo dia 5, a partir das 19h, no Espaço Unique em Brasília. O evento apresentará o que o cooperativismo faz de melhor para promover o aumento da qualidade e da competitividade do setor. Afinal, ser um exemplo de gestão e boas práticas é uma conquista sempre muito almejada por qualquer modelo de negócio. E com as cooperativas não é diferente.

Na edição deste ano, a premiação que é bianual, recebeu um total de 310 inscrições. A região com maior representatividade foi a Sudeste, com 165 cooperativas participantes (53%), seguida da região Sul, com 62 (20%). A região Centro-Oeste registrou 43 (14%) inscrições, enquanto a Nordeste totalizou 33 (11%). Já a região Norte contou com 7 participações (2%).

 Destas, 56 cooperativas serão reconhecidas com as faixas ouro, prata e bronze em um dos quatro níveis de maturidade avaliados: Primeiros passos para a excelência, aplicado a cooperativas que estão no estágio inicial de um programa de melhoria de gestão; Compromisso com a excelência, para cooperativas que estão em estágios iniciais de evolução dos seus sistemas de gestão e começando a medir e perceber melhorias nos seus resultados; Rumo à excelência, concedido as cooperativas cujo sistema de gestão está em franca evolução e os resultados já demonstram competitividade; e Excelência, para as que já possuem um sistema de gestão evoluído com resultados que comprovam competividade.

Outras 166 cooperativas receberão o Selo Reconhecimento, que certifica o compromisso com a busca pela excelência na gestão e evidencia o nível de desempenho atingido. Ele é destinado as coops que foram avaliadas com notas acima de 80%, mas não alcançaram as faixas ouro, prata e bronze.

O número de cooperativas contempladas neste ano ultrapassou o dobro da edição anterior, em 2019, quando 103 receberam os selos e troféus. “Esse resultado demonstra o compromisso cada vez maior do nosso movimento com o aprimoramento das práticas de gestão e governança. São iniciativas que fazem diferença na melhoria dos nossos negócios e ninguém quer ficar de fora”, afirma o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

A avaliação teve início em maio deste ano com a etapa de envio de documentos e análise de evidências. Na segunda etapa foram realizadas visitas virtuais para validação das informações disponibilizadas pelas cooperativas nos formulários de autoavaliação. A análise qualitativa dos dados apurados nas visitas e avaliação da banca julgadora compuseram as etapas seguintes. No total, 65 especialistas em gestão e governança da Fundação Nacional de Qualidade (FNQ) estiveram envolvidos no processo.

A banca julgadora, responsável por definir as cooperativas contempladas, é composta por representantes de entidades parceiras do Sistema OCB que possuem conhecimento técnico sobre o cooperativismo. Neste ciclo de 2023, a banca é formada por Christiano Costa Moreira, analista do Banco Central do Brasil (BCB); José Aires Amaral Filho, superintendente de Serviços de Transporte Rodoviário e Multimodal de Cargas da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT); Silvio Farnese, diretor do Departamento de Comercialização da Secretária de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa); Valéria Gama Fully Bressan, professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura e professor emérito da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Mercado Orgânico de Brasília lança e-commerce para democratizar acesso a alimentos saudáveis

No último sábado, 18 de novembro, a Cooperativa dos Produtores do Mercado Orgânico de Brasília (Cooperorg), organização associada ao Sistema OCDF-SESCOOP/DF, realizou a quinta edição do Festival de Orgânicos. O evento tem o objetivo de promover a aproximação entre produtores e consumidores brasilienses, permitindo a troca de ideias, conhecimentos, experiências e expectativas. O festival contou com degustação de produtos orgânicos locais, incluindo Plantas Alimentícias Não Convencionais, as chamadas PANCS, e foi marcado pelo lançamento da loja virtual do Mercado Orgânico.

Idealizada para ampliar a visibilidade do Mercado Orgânico, a loja virtual foi desenvolvida com o apoio do Sebrae no Distrito Federal e, segundo a cooperativa, representa um marco na democratização do acesso a alimentos saudáveis na região do Distrito Federal.

A plataforma proporcionará a comercialização de produtos orgânicos certificados, que serão oferecidos a um preço inferior, em média, 20#$-$#em relação aos praticados por empreendimentos concorrentes, atendendo às demandas da sociedade brasiliense por alimentos frescos e saudáveis.

A inauguração do e-commerce do Mercado Orgânico de Brasília representa um avanço significativo na promoção de uma alimentação mais saudável e consciente na capital federal, alinhada aos princípios da sustentabilidade e do comércio justo. Com o apoio da Cooperorg, os consumidores poderão agora desfrutar da praticidade de adquirir alimentos orgânicos de qualidade, contribuindo para o fortalecimento da economia local e o bem-estar coletivo.

O Mercado Orgânico é uma estrutura de aproximadamente 300 m² situada em um dos pavilhões da Central de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa/DF), no Trecho 10 do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA). 

Acesse www.mercadoorganico.coop.br e confira.

 

imagem site coop

Encontro mobiliza, pela primeira vez, jovens cooperativistas do Ramo Agropecuário

Na última terça-feira, 31 de outubro, o Sistema OCDF-SESCOOP/DF realizou a 1ª edição do Encontro de Jovens Coop Agro do Distrito Federal. O evento reuniu filhos de cooperados do Ramo Agropecuário do DF e teve como objetivo difundir conhecimentos, promover interações e estimular uma participação mais ativa desse público nas cooperativas, visando garantir o desenvolvimento e a sustentabilidade dessas organizações.

Durante o evento, foi promovido um painel que abordou os desafios e as inovações nas cooperativas do Ramo Agropecuário. Além disso, os participantes conheceram a trilha de desenvolvimento, uma estratégia pensada pelo Sistema OCDF – SESCOOP/DF, que será aprimorada ao longo do tempo para engajar ainda mais os jovens cooperativistas do ramo.

As etapas da trilha de desenvolvimento, apresentadas pela gerente geral do SESCOOP/DF, Gêane Ferreira, ocorrerão ao longo do próximo ano. Elas incluem atividades nos congressos distrital e brasileiro de cooperativismo, realização de workshops, Encontro Nacional de Cooperativas Agropecuárias e um intercâmbio nacional. Além disso, haverá incentivo para a participação em atividades promovidas pela plataforma de conteúdo e capacitação do Sistema OCB, a Capacitacoop.

O presidente do sistema cooperativista local, Remy Gorga Neto, comemorou a realização desta primeira edição do evento. Ele destacou a importância da participação da juventude na estrutura da cooperativa, comentou sobre o processo de realização do evento e ressaltou a série de ações e atividades que visam encorajar e estimular a participação dos jovens nos debates relacionados às cooperativas. "É um desafio para a cooperativa e também para o sistema trabalhar com o jovem, para que ele se sinta motivado a assumir esses compromissos junto às cooperativas", pontuou.

"Ter jovens que estejam integrados e participativos nos processos decisórios da cooperativa, determinados a ocupar cargos de governança, são aspectos fundamentais para a perenidade da cooperativa. Sem essa sucessão, sem esse comprometimento e envolvimento do jovem, do filho do associado, há o risco de a propriedade e a cooperativa acabarem", completou Remy.

O coordenador do Ramo Agro da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), João Prieto, também participou do evento e parabenizou o Sistema OCDF pela sua realização. Ele comentou que o setor agropecuário do DF possui todas as condições para prosperar e evoluir ainda mais. João realizou ainda uma apresentação institucional, destacando dados e enfatizando as ações em que a OCB está envolvida para fortalecer o ramo agropecuário em todo o Brasil.

"Iniciativas como essa são extremamente relevantes para o desenvolvimento do cooperativismo como um todo. O jovem precisa estar cada vez mais participando dos processos da cooperativa, envolvido na visão de futuro da cooperativa, interessado no que a cooperativa desenvolve e se inserindo de maneira colaborativa nesse processo. Esses processos são essenciais para a perenidade do nosso modelo", analisou o coordenador da unidade nacional.

O evento contou ainda com a participação de André Ricardo, gerente da área de desenvolvimento técnico da Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus), uma organização fundada no interior paulista e que tem conquistado cada vez mais protagonismo no agronegócio brasileiro.

André compartilhou com os participantes do encontro detalhes da estrutura da cooperativa, que possui cerca de 40 mil cooperados e atua em municípios de São Paulo, Minas Gerais e Goiás. A cooperativa oferece uma ampla gama de produtos, como sementes, produtos para proteção de cultivos, fertilizantes, produtos veterinários, rações, máquinas e implementos agrícolas, tecnologias de agricultura de precisão, projetos de irrigação e energia fotovoltaica.

“Para mim é uma satisfação vir aqui e trazer um pouco do meu conhecimento, da minha experiência. A nossa cooperativa tem ganhado destaque no cenário nacional, está sempre em busca de aprimorar sua atuação, de utilizar inovação e poder servir de espelho para outras organizações”, afirmou.

Thayná Griebeler, filha de cooperados pioneiros da Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (Coopa/DF), 30 anos, destacou a necessidade da realização do evento, ressaltando sua relevância em proporcionar uma visão atualizada sobre a modernidade e a inovação. Embora certas práticas tenham sido bem-sucedidas no passado, é fundamental estar aberto a mudanças e sempre atento às oportunidades de inovação, pois o que funcionou anteriormente pode não ser eficaz no futuro”, analisou a jovem.

 

 

imagem site coop

Rumo ao BRC 1 Tri Nacional: Cooperativas de Crédito do DF unem forças para transformar realidades e alcançar meta

 

 

O Sistema OCDF-SESCOOP/DF promoveu, na noite de terça-feira, 10, o primeiro Encontro do Ramo Crédito, reunindo as principais lideranças das cooperativas de crédito do Distrito Federal. O evento ocorreu no mês de celebração do Dia Internacional das Cooperativas de Crédito, marcado para 19 de outubro, e teve como objetivo alinhar as expectativas para o ano de 2024, promovendo a interação das cooperativas de crédito com seus cooperados, considerando-as pilares essenciais para a economia circular e o desenvolvimento das comunidades.

 

O presidente do Sistema OCDF-SESCOOP/DF, Remy Gorga Neto, enfatizou a capacidade das cooperativas de crédito de estarem presentes em diversas regiões e impulsionarem o desenvolvimento econômico e social. Ele celebrou os 50 anos do Sistema em 2023 e delineou desafios futuros, incluindo um faturamento de 4 bilhões para as cooperativas do DF até 2027, contribuindo para alcançar o BRC 1 Tri nacional. "O cooperativismo de crédito é uma das vertentes que impulsionam esse desenvolvimento, não apenas nas comunidades, mas em toda a sociedade. Devemos trocar experiências e informações, pensando sistematicamente e trabalhando a intercooperação para uma sociedade mais justa e igualitária, com distribuição de renda a partir da filosofia que move o cooperativismo", ponderou Remy na abertura do encontro.

 

Após as apresentações iniciais, os participantes acompanharam um painel sobre "Os Impactos Positivos do Cooperativismo de Crédito na Sociedade", com destaque para o fato de que essas cooperativas representam 5,6#$-$#do PIB per capita no Brasil, além de apresentarem 45,1#$-$#no saldo comercial por habitante. O painel foi conduzido por representantes de instituições renomadas do ramo de crédito, incluindo Gleice Morais, Supervisora de Cidadania e Sustentabilidade no Sicoob; Carlos Canedo Júnior, Diretor de Negócios na Sicredi Planalto Central; Luiz Lesse, Diretor Presidente na Sicoob Executivo; e Edivaldo Oliveira, Conselheiro Administrativo do Sescoop-DF.

 

Posteriormente, Igor Montenegro, CEO da Qualitatis LTDA, proferiu uma palestra com o tema "Apoiando Pessoas, Impulsionando Negócios e Transformando Comunidades". Igor apresentou ferramentas importantes sobre como as cooperativas de crédito podem transformar as comunidades em que estão inseridas. Ele propôs ideias, como, por exemplo, as cooperativas de crédito ofertarem crédito para consumo consciente e produção responsável, apoiarem iniciativas que utilizem boas práticas de produção, apoiar projetos de reciclagem e intercooperação com cooperativas de reciclagem, incentivar empresas cooperadas a avaliarem a pegada ambiental, incentivar a redução das emissões de CO², entre outras sugestões. Montenegro finalizou dizendo que "o grande propósito das cooperativas de crédito é tornar o mundo um lugar melhor. Fazer dinheiro é consequência disso. O compromisso cooperativista é transformar o mundo".

 

Carla Madeira, superintendente do Sescoop/DF, destacou que o evento reforça o trabalho que o Sistema tem desenvolvido nos últimos anos com o objetivo de fortalecer a intercooperação. "O nosso planejamento para 2024 já começou. Iniciamos com o Encontro dos Executivos, onde todos os ramos se encontraram. Depois, tivemos encontros e reuniões técnicas, discutindo as temáticas específicas de cada ramo. Por exemplo, na última sexta-feira, tivemos o Encontro das Cooperativas de Reciclagem, e hoje estamos realizando o Encontro do Ramo Crédito. A ideia é validar com nossas cooperativas o que é possível alcançar em termos de metas para os próximos anos, focados no objetivo de atingir 1 trilhão de faturamento em 2027", ponderou Carla.

 

Segundo Ronan Pinheiro, Analista de Monitoramento e Cooperativismo, o evento marca uma série de ações para o fortalecimento do cooperativismo de crédito no DF, reforçando o papel que essas cooperativas desempenham no contexto econômico e social, alinhadas com as diretrizes do Sistema OCDF-SESCOOP/DF para um futuro mais colaborativo e sustentável. Além dos citados acima, também estiveram presentes Alexandre Machado, Vice Presidente Sistema OCDF e Miguel Oliveira, Presidente do Conselho de Administração do Centro Cooperativo Sicoob – CCS.

imagem site coop

CooperJogos 2023: uma jornada de integração e cooperativismo

No último sábado, 2 de setembro, o cooperativismo do Distrito Federal e o espírito esportivo estiveram unidos para a realização da 21ª edição dos Jogos de Integração Cooperativista do Distrito Federal (Cooperjogos). Realizado pelo Sistema OCDF-SESCOOP/DF nas instalações do Sesi de Taguatinga Norte, o evento foi mais do que uma simples competição esportiva; foi uma celebração dos princípios cooperativistas que moldam as cooperativas do Distrito Federal.

O CooperJogos é um encontro anual que apresenta a oportunidade para cooperados, colaboradores e associados de diferentes cooperativas se reunirem, fortalecerem laços, promoverem a saúde e, claro, celebrarem os valores que fundamentam o cooperativismo. "O CooperJogos é realizado há 21 anos e tem sido uma referência, uma marca no cooperativismo do Distrito Federal, num ambiente que leva o pertencimento para quem está em um modelo de negócios baseado em valores e princípios e que tem como propósito estimular o bem-estar, a prática esportiva dentro dos ambientes cooperativistas. Nós tivemos relatos de cooperativas que seus colaboradores e associados se preparam o ano inteiro para participar do Cooperjogos, a partir de práticas esportivas. Isso tudo faz com que haja uma integração entre eles promovendo a saúde e a qualidade para todas e todos’’, pontuou Remy Gorga Neto, presidente do Sistema OCDF-SESCOOP/DF.

Carla Madeira, superintendente do SESCOOP/DF, também destacou o papel do evento na promoção da cultura da cooperação: "Um valor e uma missão do nosso sistema é o de promover a cultura da cooperação, a saúde e a qualidade de vida e por isso realizamos essas atividades. O espírito da união, integração e intercooperação nos move e isso extrapola os muros do nosso evento, vai para dentro das nossas cooperativas fortalecendo o que de fato é a nossa missão”, comentou ela.

Nesta edição, os participantes foram agrupados de acordo com os sete princípios cooperativistas, que são a base de todo o movimento cooperativo: participação econômica, intercooperação, autonomia e independência, livre adesão, conhecimento, gestão democrática e interesse pela comunidade. Isso não apenas adicionou um toque especial à competição, mas também enfatizou a essência cooperativista que guia cada equipe.

Durante todo o dia, as equipes competiram em diversas modalidades esportivas, incluindo vôlei, natação, futsal, futebol, corrida, queimada, dominó, sinuca, teste cooperativo, cabo de guerra e muito mais.

Mônica Licassali, coordenadora da cooperativa Recicle a Vida, comentou sobre a essência do cooperativismo, presente no Cooperjogos. "Hoje fiquei apenas como atleta reserva. Acabei não preenchendo vagas, mas o dia foi maravilhoso. Nossos cooperados trabalham em movimentos repetitivos diariamente e estamos sempre realizando atividades laborais para todos. Estar aqui é integrá-los a outras cooperativas, conviver com outros colegas e fortalecer os laços cooperativistas’’, disse ela.

Márcio Donizete, funcionário da Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (Coopa/DF), elogiou a ideia do CooperJogos como uma oportunidade de ampliar o ciclo de amizades: "O CooperJogos é uma excelente ideia. Só faltam todas as cooperativas do DF aceitarem participar desse momento de interação para que possamos aumentar o ciclo de amizades. Essa é a 14ª edição que participo e estou contente em poder estar aqui por mais um ano’’, afirmou.

O CooperJogos não é apenas uma competição esportiva, mas sim uma celebração dos princípios cooperativistas que unem as cooperativas do Distrito Federal. Um evento que fortalece a cooperação, integração e a saúde de todos os envolvidos.

E as celebrações ainda não terminaram. Na noite do próximo dia 6, quarta-feira, será realizada da Solenidade do CooperJogos, onde serão eleitos o Mister e a Miss Cooperativista, destacando aqueles que personificam os valores cooperativos em sua forma mais pura. Será mais um momento para que os cooperados, associados e colaboradores possam estar integrados nas atividades promovidas pelo Sistema OCDF-SESCOOP/DF.

 

Etapas do Programa Agro 4.0 são explicadas em webinar

Na última quarta-feira (13), a Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) realizou um webinar para responder perguntas sobre o Programa Agro 4.0. O encontro virtual foi direcionado aos interessados no edital que permanece aberto para inscrições até esta segunda-feira (18). O Sistema OCB é parceiro da ABDI e sugeriu a participação dos cooperativistas do Ramo Agro.

A iniciativa é uma parceria entre a ABDI e o Ministério da Agricultura. A proposta está em busca de projetos que criem uma plataforma de gestão estratégica de dados de produção agropecuária em cooperativas, associações e agroindústria. O intuito é integrar dados, modelagem e apresentação de informações, para gerar novos conhecimentos que possam somar às produções.

A líder do Programa Agro 4.0, Isabela Mendes Gaya Lopes dos Santos, explicou que o programa também pretende estimular e fomentar a adoção e difusão de tecnologias 4.0 no agronegócio, com foco na resolução de lacunas e aumento de produtividade e sustentabilidade. "O mérito da nossa proposta é visualizar a dor e a necessidade do projeto que está sendo desenvolvido. Queremos auxiliar na solução de problemas de cada participante".

O programa pretende focar em plataformas de gestão estratégica, com a finalidade de coletar informações de cooperativas, associações ou agroindústrias para encaminhar dados de forma remota, por meio de tecnologias 4.0. O grupo precisa contar com, pelo menos, cinco produtores dentro do grupo de trabalho.

As etapas do edital foram explicadas de forma detalhada. A primeira, de seleção, tem duração de três meses. Os projetos inscritos passarão por avaliação de especialistas no agro e classificação com convite dos participantes para a segunda etapa, de execução, e repasse da premiação no valor de R$ 375 mil para cada categoria (agricultura, pecuária e indústria).

A execução terá prazo de 12 meses e se inicia com a adoção da plataforma e difusão da tecnologia com reuniões e relatórios mensais. Já a etapa de avaliação ocorrerá durante um mês, com análise dos indicadores e entrega dos relatórios de lições aprendidas e dos atestados de conclusão dos projetos. Para finalizar, durante um ano, o projeto será monitorado trimestralmente.

Isabela ressaltou que a categoria de classificação será feita pelo cartão CNPJ da cooperativa, associação ou agroindústria e lembrou que três entidades precisam estar envolvidas no projeto: uma instituição âncora (cooperativa, associação ou agroindústria); uma provedora de solução tecnológica e produtores rurais.

 Ao final do webinar, a líder voltou sua atenção para o formulário de inscrição e destacou que, nesta primeira etapa, não pode ser incluída nenhuma informação que identifique qualquer membro do grupo de trabalho. Mais informações podem ser obtidas em: https://agro40.abdi.com.br e https://www.abdi.com.br. Isabela também compartilhou um contato de e-mail para dúvidas técnicas (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.) e um de suporte do Prosas, plataforma de inscrição (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.).

Dia Nacional do Voluntariado e o Sétimo Princípio Cooperativista: Cooperando pelo bem da sociedade

Neste 28 de agosto, o Brasil celebra o Dia Nacional do Voluntário. Esta data é um momento de reflexão sobre o testemunho do voluntário como pilar fundamental para a promoção do bem-estar social e para o fortalecimento das relações de solidariedade entre os cidadãos. Nesse contexto, as Cooperativas do Distrito Federal reafirmam seu compromisso com o sétimo princípio cooperativista, o “Interesse pela Comunidade”, que destaca a responsabilidade das cooperativas em contribuir para o desenvolvimento sustentável de suas comunidades.

Para Remy Neto, presidente do Sistema OCDF/Sescoop-DF, o trabalho voluntário das cooperativas do Distrito Federal tem sido um exemplo inspirador de como a cooperação vai além dos aspectos econômicos. ‘‘Nossas cooperativas demonstram um compromisso genuíno em contribuir para o bem-estar e desenvolvimento das comunidades em que estão inseridas. O Dia Nacional do Voluntariado é uma oportunidade para reconhecermos e celebrarmos essas ações que fazem a diferença na vida das pessoas", comenta.

O Sétimo Princípio Cooperativista, conhecido como “Interesse pela Comunidade”, reforça o papel das cooperativas na promoção do desenvolvimento sustentável e social de suas áreas de atuação. Por meio de projetos e iniciativas de voluntariado, as cooperativas do Distrito Federal se empenham em áreas como educação, saúde, meio ambiente, cultura e assistência social, consolidando seu compromisso com o progresso coletivo.

À medida que o Dia Nacional do Voluntariado se aproxima, as cooperativas do Distrito Federal renovam seu compromisso de cooperação não apenas para o sucesso econômico, mas também para a construção de uma sociedade mais justa, inclusiva e solidária. O trabalho voluntário é uma expressão concreta dos valores cooperativistas em ação, demonstrando como a cooperação pode fazer a diferença na vida de todos.

 

 

 

 

 

 

Encontro debate desafios e oportunidades para cooperativas agro do Brasil

Dirigentes de sete cooperativas brasilienses, juntamente com o Sistema OCDF-SESCOOP/DF, participaram no mês de junho da mais recente edição do Encontro Nacional das Cooperativas Agropecuárias (ENCA). O evento reuniu representantes de cooperativas de todo o país em Campinas, no interior de São Paulo, contou com a presença de líderes do setor, fomentou debates e apresentou novidades em assuntos relevantes para o agronegócio brasileiro.

A programação do evento foi organizada para oferecer aos presidentes e diretores das cooperativas um ambiente imersivo nos assuntos pertinentes ao setor, como os desafios e oportunidades no atual cenário político e econômico, além de aprofundar debates em áreas como planejamento, gestão financeira e de risco, inovação, tecnologia e sustentabilidade. Também foram abordados assuntos como a importância de reputação sólida para o setor agropecuário e a verticalização e internacionalização como caminhos fundamentais para a expansão e diversificação das cooperativas. Cerca de 500 cooperativas participaram do encontro, sendo sete delas com atuação no Distrito Federal.

O presidente da Cooperativa Agropecuária da Região de Brazlândia (Cooperbraz), Marcos da Silva Almeida, integrou o grupo brasiliense e comentou sobre a importância de as organizações estarem presentes na realização do encontro. "A nossa participação foi ótima. Tivemos contato com especialistas em questões políticas, tecnológicas e aprendemos como a inteligência artificial pode impactar na nossa atuação", destacou.

Marcos também comentou sobre a relação entre sucessão familiar e cooperativismo, um dos pilares da programação do encontro. "A nossa atividade é dedicada à agricultura familiar e nós vemos que tradicionalmente os filhos estudam e ocorre uma espécie de êxodo. Eles saem para buscar oportunidades na cidade e isso tem a ver com a nossa realidade. O que foi transmitido no evento vai nos ajudar no futuro certamente", acrescenta o presidente da Cooperbraz.

A intercooperação, sétimo princípio do cooperativismo, também foi destaque durante a realização do ENCA. Marcos conta que se aproximou de expositores e participantes, contou da atuação da cooperativa que administra e saiu do evento com a certeza de que a organização está no caminho do crescimento. "A gente viu que está no rumo certo, na trilha do desenvolvimento. Apesar de estarmos distante do centro de Brasília, a gente conta com apoio expressivo do SESCOOP/DF, que desenvolve ações que favorecem o desenvolvimento da nossa atividade, melhorando a nossa gestão e atuação. Estamos sendo vistos e a participação em um evento da significância do ENCA comprova isso", conclui o dirigente.

O analista do SESCOOP/DF, Ariosto Sousa, acompanhou os dirigentes de cooperativas durante a realização do evento e avaliou de forma positiva a imersão dos cooperados nos assuntos abordados. "As cooperativas gostaram da participação, muitos conseguiram obter boas práticas para aplicar na governança, bem como em suas propriedades. De forma geral, foi uma participação muito produtiva, que gerou muitas informações e as expectativas foram superadas. Enquanto sistema, conseguimos promover essa interação entre as cooperativas, fornecedores e outras organizações estaduais que também participaram do evento", finalizou.

O ramo agropecuário no Distrito Federal tem ganhado destaque nos últimos anos.  O número de cooperativas associadas ao Sistema OCDF-SESCOOP/DF, no momento, é 13 organizações que reúnem mais de 1 mil cooperados. 

imagem site coop

Celebração do Dia C 2023 movimenta o Recanto das Emas

Um mundo mais justo, livre de desigualdades e cheio de oportunidades pode se tornar real com atitudes simples, mas eficazes. Foi a partir desses interesses, baseados no sétimo princípio do cooperativismo, que dezenas de voluntários estiveram reunidos no último sábado, 1º de julho, para celebrar a edição 2023 do maior movimento de promoção ao voluntariado cooperativista, o Dia de Cooperar (Dia C), no Distrito Federal. A celebração foi organizada pelo Sistema OCDF-SESCOOP/DF e ocorreu na Vila Olímpica do Recanto das Emas e contou com a participação da população em geral

Neste ano, no DF, o movimento contou com adesão de quase 200 voluntários de instituições parceiras, de cooperativas locais e do sistema cooperativista local. A edição 2023 levou ao Recanto das Emas uma programação diversificada e levou aos moradores da região serviços gratuitos em diversas áreas. Quem foi até a Vila Olímpica da Região Administrativa pôde conferir apresentações culturais e artísticas, além aproveitar atendimentos em beleza, saúde e bem-estar, educação financeira, empreendedorismo, orientação profissional, e muito mais.

Remy Gorga Neto, presidente do Sistema OCDF-SESCOOP/DF, esteve presente na celebração e comentou sobre a importância do trabalho cooperativista que está centrado nas pessoas e que faz a diferença no processo de desenvolvimento socioeconômico de qualquer localidade. “Esta edição do Dia C veio recheada de muita coisa legal, mas, principalmente, da sensação boa que é ver o cooperativismo atuando para a sociedade. É algo que faz parte do nosso DNA, dos nossos princípios. As cooperativas mostram o interesse pelas comunidades durante todo o ano e o Dia C é o momento em que celebramos todas essas realizações”, destacou o dirigente.

O Dia de Cooperar coloca em evidência o sétimo princípio do cooperativismo, o interesse pela comunidade, e sempre é celebrado no primeiro sábado de julho, data em que se comemora o Dia Internacional do Cooperativismo. E é esse interesse pela comunidade que faz com que as cooperativas realizem tantos trabalhos deste tipo. Edivaldo Alves de Oliveira, membro do Conselho de Administração do SESCOOP/DF, pontuou o valor deste tipo de ação. “Estamos aqui trazendo alegria, mas, acima de tudo, cidadania e dignidade com os serviços de orientação financeira, jurídica e saúde”, disse.

 

A celebração do Dia de Cooperar também foi espaço para as cooperativas colocarem em prática a intercooperação, outro princípio do cooperativismo que se baseia na premissa de formar alianças, parcerias e desenvolver negócios em conjunto, a fim de fortalecer os associados e a sociedade. A Sicredi Planalto Central, por meio da agência de Águas Claras, firmou uma parceria com a Coopcare, do ramo saúde, que levou serviços como aferição de pressão arterial e medição de índice glicêmico. A cooperativa de crédito disponibilizou recursos para que a cooperativa de saúde pudesse comprar insumos e atender a população do Recanto com qualidade e eficiência. As organizações ainda sortearam brindes durante a realização do Dia C.

 

“É fundamental a gente doar um pouco do nosso trabalho para melhorar a vida das comunidades.  A relação entre as cooperativas potencializa isso e ajuda a mostrar o que de fato é o cooperativismo, uma filosofia diferenciada que é fundamental não apenas para a econômica, mas para a sociedade”, comentou o gerente da agência Sicredi de Águas Claras, Rafael Quirino.

O sentimento de satisfação era visível no rosto da voluntária Jorgiana Sales de Moraes. Ela é cooperada da Recicle a Vida, de Ceilândia, e participou de sua primeira celebração do Dia de Cooperar, ajudando a difundir informações sobre a coleta seletiva e a importância do trabalho de reciclagem. “É uma alegria estar aqui falando sobre o meu trabalho e ajudar a informar as pessoas. É uma forma de ajudar a melhorar o nosso trabalho na esteira da cooperativa, com o lixo separado corretamente, mas também uma forma de ajudar a melhorar o meio ambiente e a cidade em que vivemos”, contou ela.

A alegria de impactar positivamente na vida de outras pessoas era também visível no rosto de Gabriela Godoi, voluntária e integrante do grupo Laços da Alegria, que costumeiramente realiza visitas a pacientes internados em hospitais públicos e privados do Distrito Federal. “O voluntariado é a forma mais simples e pura de amor ao próximo que existe. É se doar, se entregar, sem querer nada em troca. E isso é muito gratificante”, acrescentou ela.

Entre os beneficiados pela celebração do Dia de Cooperar estava Odair José da Silva, 35, morador da Chácara Monjolo. Pai de quatro filhos e atualmente em busca de recolocação no mercado de trabalho, ele conta que ficou sabendo do evento por meio de uma vizinha e decidiu levar o filho mais novo para se divertir um pouco. “É difícil ter lugares para diversão por aqui. Quando acontece um evento igual a esse é bom e sempre venho com meus filhos para eles se divertirem um pouco. Vou aproveitar para cortar o cabelo também, buscar umas informações e ver como está a minha saúde”, contou.

As atividades do Dia C também foram aproveitadas por quem diariamente ajuda a transformar vidas na região. Foi o caso de Helena Batista, 43, moradora do Riacho Fundo II, mas que ministra aulas de natação e hidroginástica na Vila Olímpica do Recanto. “Eu vim para cooperar. Trouxe meus alunos, participei de atividades, fiz alguns exames de saúde e me diverti. A comunidade aqui é bem carente de assistência e o Dia C trouxe alegria e esperança para as pessoas”, assegurou.

A celebração do Dia de Cooperar foi encerrada com uma apresentação da Associação Recreativa e Cultural Unidos do Varjão Escola de Samba. A agremiação desfilou para o público brasiliense no último dia 23 de julho e levou ao Recanto toda a alegria que o ritmo samba é capaz de proporcionar.

Sobre o Dia C

O Dia de Cooperar foi criado em 2009, em Minas Gerais. O movimento foi nacionalizado quatro anos mais tarde e, desde então, as cooperativas brasileiras se unem para demonstrar a um número cada vez maior de pessoas que o cooperativismo é capaz de transformar a realidade e estimular o desenvolvimento do país. Entre tantas práticas de responsabilidade social, o Dia C se destaca por ser um movimento que luta por um mundo mais justo, igualitário e em ampla consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

No DF, o movimento integra o calendário das cooperativas desde 2014 e voltou a ser celebrado presencialmente no ano passado. As ações das cooperativas, desde então, têm ajudado a transformar realidades em diversas regiões da capital, estimulando o voluntariado cooperativista, e beneficiando mais de 25 mil pessoas.

 

Confira fotos de nossos eventos no Flickr.

Banco Central e Sistema OCB promovem debate sobre a importância da intercooperação

 

A boa relação entre o movimento cooperativista e o Banco Central do Brasil é de longa data. Seja para propor novos desafios e regulações ou para debater temas específicos, as duas entidades buscam por meio de rodadas de conversas, seminários e workshops as soluções mais viáveis para aumentar o protagonismo do coop, gerar prosperidade e fortalecer a economia nacional. Entre os dias 22 e 23 de junho o banco e os sistemas de crédito cooperativo realizaram o workshop Desafios e Práticas de Sucesso do Cooperativismo de Crédito – Intercooperação e Interesse pela Comunidade.

Os princípios cooperativistas de intercooperação (6º) e interesse pela comunidade (7º) estão presentes em parte expressiva de todos os ramos do movimento espalhados pelo país. No entanto, para impulsionar todo o potencial do Ramo Crédito, o Banco Central realizou o evento para instigar reflexões, ouvir as ações que já estão sendo aplicadas em defesa da atuação conjunta das cooperativas, bem como dos serviços e produtos oferecidos para as comunidades onde estão inseridas.

O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, participou da mesa de abertura e agradeceu o constante apoio do órgão e falou sobre os desafios das práticas de intercooperação. De acordo com ele, o assunto é discutido há anos em workshops, seminários e congressos, mas que a questão não é técnica. “Conversei com o Roberto Rodrigues e chegamos à conclusão de que, quando o tema é intercooperação, o discurso é sempre solidário e a prática solitária. Onde estamos errando? Temos que discutir, pois percebo que é muito mais um problema da própria antropologia humana do que técnico ou de processo. O cooperativismo é uma organização de gente e precisamos de lideranças menos solitárias”, afirmou.

Capacitação e formação foram exemplos de como sanar a questão levantados por Márcio Freitas. “Precisamos estudar e tenho trabalhado com o Sescoop a ideia de um curso de inovação no relacionamento social. Fiz um teste para mensurar um processo no Paraná e, com a utilização do celular, em 17 minutos minha mensagem chegou a mais de 2 milhões de aparelhos. Por que não usarmos isso para ter um relacionamento mais estreito com os cooperados, uma conversa franca? As parcerias vão acontecer de baixo para cima, não o contrário”, enfatizou. E reforçou que “é preciso construir uma solução de intercooperação, que não seja apenas uma ideologia do cooperativismo, mas também uma questão de economia e negócios”.

O presidente do Sistema OCB fez ainda um chamamento para o alcance da meta do Desafio BRC 1 Tri. “Nossa meta é ousada. Alcançar R$ 1 tri de movimentação financeira, 30 milhões de cooperados e 1 milhão de empregos gerados. Dá para chegar, basta termos mais ousadia e intercooperação.

CECO

No painel Esforços concretos da intercooperação no Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), o integrante do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (Ceco), Marco Aurélio Almada, reforçou que a intercooperação é o caminho para ampliar os negócios, tornando os serviços financeiros cooperativistas cada vez mais procurados. “Os grandes bancos têm competência para ser universal, a nossa proposta (coop de crédito) é direcionada ao médio e pequeno. Nosso crescimento se justifica pelo alcance regional, capilaridade. Precisamos intercooperar por questões doutrinárias e também estratégicas”, pontuou.

Ele apresentou um apanhado histórico que demonstrou que grandes os bancos já se uniram durante a história para ampliar os negócios e atender mais pessoas. Almada insistiu que as parcerias e inovações são necessárias para garantir competitividade. "Os bancos, para construir competitividade, intercooperaram. Isso passa por três aspectos: segurança, interoperacionabilidade e ganho de economia de escala. Estes são os três grandes vetores que os bancos encontraram para aumentar a competitividade própria pela via da intercooperação", explicou.

Almada também fez uma contextualização sobre a intercooperação no Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC). “Percebemos que existe intercooperação entre nós, mas ela precisa ser organizada em dimensão nacional para entregar resultados concretos. Essas estratégias estão sendo discutidas exaustivamente no âmbito do Ceco”, salientou.

Ainda segundo ele, há oportunidades de implementação de ações que envolvem três processos: securitização de créditos, transporte de valores e numerários e grandes fornecedores de TI [Tecnologia da Informação]. “Já contratamos uma consultoria especializada, por meio da OCB e precisamos fazer contratos conjuntos para reduzir os custos de todos”, concluiu o representante do Ceco.
 

ESGCoop

A gerente de Desenvolvimento de Cooperativas do Sistema OCB, Débora Ingrisano, apresentou o Programa ESGCoop, que está em processo de implementação. Ela explicou como é realizada a atuação política e institucional do Sistema OCB e sobre os três pilares estratégicos para aumentar a competitividade: representação, ESG e negócios, que estão alicerçados em dados de inteligência, evolução contínua, comunicação, geração de valor e foco nas pessoas. Tudo congregando a formação profissional, a promoção social e o monitoramento de oportunidades.

Sobre as estratégias ESG, a gerente disse que o cooperativismo já conta com as práticas de respeito ambiental, cuidado social e boa gestão, mas que estas precisam ser mapeadas em conformidade com os indicadores internacionais. Para que o movimento comande plenamente a pauta, ela defendeu a intercooperação entre os ramos. “Temos que somar nossos indicadores e transformar a pauta ESG em uma grande narrativa para vendermos o cooperativismo como o líder na transformação do capitalismo. Essa é a proposta do nosso ESGCoop e precisamos trabalhar para reduzir impactos, estruturar e manter o planeta vivo e as sociedades crescendo com menos desigualdade e com instituições coletivas mais fortes”, destacou.

Ela contou que dos 24 critérios de ESG, ela pode mapear dentre as exposições realizadas pelos sistemas e cooperativas independentes nos dois dias de workshop, ao menos 13 na cultura cooperativista como, por exemplo, a conformidade ambiental, o trabalho decente, e a segurança no trabalho.  “Mapear as práticas do coop é o nosso objetivo número um, justamente para somá-las aos indicadores internacionais. “Temos um grupo de trabalho direcionado ao tema e faço aqui um convite para que mais cooperativas participem do diagnóstico”, complementou.

 

imagem site coop

Cooperativas levam saúde, cultura e diversão à comunidade

Movimento de estímulo ao voluntariado criado por cooperativistas, o Dia de Cooperar (Dia C), desembarca, no próximo sábado, 1º de julho, na Vila Olímpica do Recanto das Emas. A iniciativa ocorre das 9h às 15h e levará até a população uma série de serviços oferecidos gratuitamente e que mostram, de forma humanizada e acolhedora, como as cooperativas locais colocam em prática o interesse pela comunidade.

A celebração do Dia C conta com uma programação diversa. Os moradores do Recanto e região poderão acessar serviços de beleza, oficinas de orientação financeira e atendimentos em bem-estar e saúde, como aferição de pressão e teste de glicemia. O público poderá, também, acessar serviços de orientação jurídica e contábil; assistir apresentações de dança, além de participar de aulas de zumba e samba. As crianças poderão se divertir com apresentações de palhaços, contações de histórias, brinquedos infláveis e muito mais.

Todos os serviços serão oferecidos por cooperativas que atuam no DF e por instituições parceiras do sistema cooperativista local.

O Dia de Cooperar foi criado em 2009, em Minas Gerais. O movimento foi nacionalizado quatro anos mais tarde e, desde então, as cooperativas brasileiras se unem para demonstrar a um número cada vez maior de pessoas que o cooperativismo é capaz de transformar a realidade e estimular o desenvolvimento do país. Entre tantas práticas de responsabilidade social, o Dia C se destaca por ser um movimento que luta por um mundo mais justo, igualitário e em ampla consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

No DF, o movimento integra o calendário das cooperativas desde 2014 e voltou a ser celebrado presencialmente no ano passado. As ações das cooperativas, desde então, têm ajudado a transformar realidades em diversas regiões da capital, estimulando o voluntariado cooperativista, e beneficiando mais de 25 mil pessoas.

Serviço - Dia C no Distrito Federal

Local: Vila Olímpica do Recanto das Emas

Data: 1º de julho

Horário: de 9h às 15h

Evento homenageia mulheres da Centcoop

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, a Central de Cooperativas de Materiais Recicláveis do Distrito Federal e Entorno (Centcoop) promoveu um evento especial na manhã da última sexta-feira, 10.

A atividade foi realizada em parceria com o Sistema OCDF-SESCOOP/DF e reuniu as cooperadas de organizações associadas à Central com o objetivo de homenagear e reconhecer a importância, a coragem, a força e a sensibilidade que cada uma delas reúne para contribuir com o avanço do trabalho da Central e na construção de um mundo cada vez mais justo, digno e repleto de amor e paz.

Cada mulher presente pôde conversar, conhecer outras participantes, expressar sentimentos, além de transmitir mensagens de empoderamento e encorajamento. Em seguida, as participantes acompanharam uma palestra apresentada pela mentora, empresária e escritora Marcela Brito, sobre o tema “Mulheres & Sustentabilidade”.

Houve, ainda, sorteio e distribuição de brindes.

 

Assinado Acordo de Cooperação Técnica com a Cooperforte

O SESCOOP/DF e a Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo de Funcionários de Instituições Financeiras Públicas Federais (Cooperforte) assinaram, no início deste mês, um Acordo de Cooperação Técnica para realização de atividades desenvolvimento humano e organizacional. As iniciativas previstas no acordo serão realizadas gradativamente até o mês de dezembro e irão permitir o aperfeiçoamento no desempenho dos funcionários e, consequentemente, melhoria no desempenho da organização.

A lista de iniciativas que serão desenvolvidas compreende temas relevantes e foi preparada levando em consideração demandas apresentadas ao SESCOOP/DF pelos gestores da cooperativa. Serão promovidas atividades acerca de tecnologia da informação, inovação, cultura da cooperação, Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), desenvolvimento de liderança feminina, ESG no cooperativismo, comunicação não-violenta, entre outros temas.

A Cooperforte foi fundada há quase 40 anos e atualmente congrega mais de 150 mil associados, somando ativos que superam a marca de R$ 2,6 bilhões. A atuação da cooperativa baseia-se em princípios de ajuda mútua, democracia, igualdade, equidade e solidariedade e tem como principal objetivo ofertar soluções financeiras que atendam os interesses dos associados, a partir de linhas de crédito e investimentos, com taxas diferenciadas em relação ao mercado e atendimento 100#$-$#digital.

Conheça os vencedores do Prêmio SomosCoop Melhores do Ano

 

Fim da espera! O Sistema OCB divulgou nesta quarta-feira (7) as coops campeãs da 13ª edição do Prêmio SomosCoop Melhores do Ano. A cerimônia realizada em Brasília e transmitida ao vivo pelo Youtube, contou com a presença de mais de 200 cooperativistas que prestigiaram as iniciativas que inspiram nas sete categorias da premiação: Comunicação e Difusão do Coop; Coop Cidadã; Desenvolvimento Ambiental; Fidelização; Inovação; Intercooperação; e Influenciador Coop.

“Todas as nossas cooperativas, sem nenhuma exceção, merecem os parabéns pelo que vem fazendo pelo Brasil. As premiadas aqui nesta noite são exemplos do trabalho extraordinário elas fazem todos os dias e que, como costumo dizer, gera muito além de emprego e renda. Gera prosperidade para o nosso povo e oferece respostas adequadas para o que as novas gerações desejam. Temos desafios? Muitos, mas criamos modelos cada vez mais sustentáveis e capazes de gerar melhorias efetivas para a sociedade como um todo”, afirmou o presidente Marcio Lopes de Freitas na abertura do evento.

Ainda segundo o presidente, orgulho é a palavra que melhor define o Prêmio SomosCoop Melhores do Ano. “Só posso agradecer por poder representar nossas cooperativas no Sistema OCB e pela confiança que recebemos. Bom final de ano e um 2023 repleto de realizações”, concluiu ele.

Os números da 13ª edição do prêmio bateram vários recordes. Foram 787 projetos submetidos por 431 coops de todas as regiões do país. Destes, 18 foram os escolhidos por duas comissões: técnica e julgadora. Já o Influenciador Coop foi escolhido por meio de votação popular. Além dos troféus, os primeiros colocados de cada categoria receberam bolsas para intercâmbios internacionais.

Confira os vencedores de cada categoria:

Comunicação e Difusão do Coop

A categoria Comunicação e Difusão do Coop premia as coops que promovem a cultura do cooperativismo também para a sociedade. Os cases vão desde a utilização do carimbo SomosCoop nos produtos da cooperativa até a promoção de cursos, palestras, eventos, campanhas e demais ações vinculadas ao carimbo.

O primeiro lugar foi para o Sicoob Cocred (SP), que criou o Jornada do Cooperativismo, com o objetivo de difundir os princípios do movimento e mostrar que o coop é sustentável, inclusivo e colaborativo. Além da divulgação nos mais variados veículos impressos, TV, rádio e internet, a campanha produziu a minissérie Cooperativismo e Impacto Social, veiculada em canais abertos e fechados de TV e no site da cooperativa. No Spotify, a série rendeu 4 milhões de ouvintes. Mais de 10 milhões de pessoas foram impactadas pela campanha. Os textos publicados na internet renderam quase 400 mil cliques de acesso.

“Realmente não esperava. É muito simbólico participar desse prêmio. Só posso agradecer e dizer que a comunicação e difusão do coop é muito importante para que todos os brasileiros possam conhecer nosso modelo de negócios”, afirmou o gerente de Marketing e Inteligência de Mercado da Sicoob Cocred, Adalberto Júnior.

A Cooptur (PR) ficou com o segundo lugar com a GinCoop, a Gincana do Cooperativismo. O terceiro lugar ficou com o Sicoob Credialto (MG), com seu Curso De Formação Educacional Em Cooperativismo, Educação Financeira E Empreendedorismo (Coofem).

Coop Cidadã

Reconhecer os projetos desenvolvidos que têm como base os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que beneficiam a comunidade como atividades culturais e recreativas, de promoção social e consciência ambiental é o foco da categoria Coop Cidadã.

O primeiro lugar ficou com o case Escavação e Revitalização de Poços Artesianos da Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento Rural Centro Sul de Sergipe (Cercos). A atuação da coop trouxe mais qualidade de vida para as pessoas com água potável para consumo e sistemas de irrigação para agricultura familiar de cinco comunidades do município de Lagartos.

Nas comunidades de Taboca e Açu Velho, 140 famílias passaram a ter acesso a água encanada em suas casas. Em Luiz Freire, 14 famílias contam com a água do poço para irrigação para cultivar e colher o ano inteiro produtos como batata, maracujá, acerola e pimenta. Já no povoado de Piçarreira, mais de 100 famílias foram beneficiadas pelo chafariz comunitário. Em Açuzinho, por sua vez, 50 famílias utilizam a irrigação, após revitalização do poço, para instalação de sistema elétrico de captação e distribuição de água com bombas e aspersores.

Aroldo Monteiro, presidente da coop, ressaltou que o projeto foi desenvolvido a partir da sugestão de um cooperado que propôs a destinação de um percentual das sobras para a sua realização. “Foi a primeira vez que participamos e já conquistamos um prêmio dessa grandeza. Só temos a agradecer”, ressaltou.

O Sicredi Dexis (PR) ficou com o segundo lugar da categoria, com o projeto Eu Coopero Com a Inclusão. A iniciativa da Cooped (CE), Ambulatório de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento da Primeira Infância (PDC) conquistou o terceiro lugar.

Desenvolvimento Ambiental

O reconhecimento aos projetos de sustentabilidade como recuperação de nascentes, reutilização de recursos, reciclagem e outras ações de preservação são os contemplados na categoria Desenvolvimento Ambiental. E o vencedor foi o Sicoob Credcooper (MG) com o projeto Nascente Viva: produzindo água e promovendo desenvolvimento sustentável hoje e para futuras gerações.

A motivação da coop ocorreu após perceber os efeitos da expansão territorial desordenada ao longo do tempo, que fez com que a região de Caratinga (MG) sofresse com a degradação dos solos, mananciais e reservas naturais. A coop fez, então, parcerias com especialistas e elaborou o projeto para preservar e recompor as matas do local, manejar adequadamente o solo e fazer tratamento de esgoto no meio rural.

O resultado foi a recuperação de 39 nascentes, doação de 15 mil mudas para reflorestamento de 150 hectares e aplicação de manejo de solo em cerca de mil hectares, além da realização de caminhadas com 1,2 mil jovens, nove seminários, 30 palestras sobre educação ambiental e 80 consultorias.

O presidente do Conselho de Administração, Vagner Monteiro, exaltou a importância que o prêmio representa no reconhecimento do trabalho desenvolvido pela coop. “São 39 anos que atuamos prezando pelo social, o ambiental e o econômico. Especificamente neste projeto, já temos sete anos de dedicação total. É muito gratificante e motivador receber esse prêmio. Nos dá ainda mais força para continuarmos. Muito obrigada pela confiança”.

As outras duas coops agraciadas foram Sicredi Centro-Sul (MS) com o Recicla Verdinho; e o Sicoob Credivertentes (MG) com o case Minas + Vertentes.

Fidelização

Em Fidelização estão as iniciativas do coop que promovem maior integração com seus cooperados desde aumento de espaço físico até oferta de serviços para seus associados.

A Coplacana (SP) foi a grande vencedora da categoria com o case Núcleo Jovem Coplacana, para garantir a perenidade da coop e conhecer quem são os novos produtores e futuros cooperados. Torná-los protagonistas do movimento foi a aposta da iniciativa, que se preocupou com a formação de jovens para liderar a agricultura nas próximas décadas.

Em encontros quinzenais, esses jovens debatem sobre inovação, sucessão familiar, cooperativismo e agronegócio sustentável. Os participantes são filhos, sobrinho e netos de cooperados, entre os 16 e 35 anos. Já foram realizadas mais de 140 horas de treinamento para 115 jovens. A experiência também está nas redes sociais e conta com quase 1,2 mil seguidores.

“O jovem quer participar, conhecer mais e trabalhar pelo coop. Ele tem interesse e precisa ser incentivado. Começamos esse projeto com apenas oito jovens e hoje são já são mais de cem. Estamos muito felizes por poder compartilhar essa iniciativa e receber esse reconhecimento”, afirmou Mariane Natera, analista de Inovação e coordenadora do Núcleo Jovem Coplacana.

O Sicoob SaromCredi (MG) ficou em segundo lugar com o Programa de Qualificação do Queijo da Canastra. Já o projeto Sicredi na Roça, rendeu ao Sicredi Planalto Central (GO) a terceira colocação.

Inovação

O reconhecimento em Inovação é concedido às coops que utilizam soluções inovadoras para promover mudanças na rotina diária das coops, como modernização de produtos e serviços, técnicas e ferramentas de gestão e outras que viabilizem melhores resultados financeiros e ganho de produtividade.

A Cooperacre (AC) conquistou o primeiro lugar da categoria com o projeto Fortalecendo o Extrativismo e Viabilizando o Desenvolvimento Sustentável Através da Tecnologia. A cooperativa modernizou seu processo de seleção e classificação da castanha-do-Brasil com investimentos em maquinários e tecnologia de ponta para aumentar a quantidade e qualidade do produto final, reduzindo riscos de contaminação e alcançando certificações.

O resultado foi o aumento da produção, que subiu de 45 para 900 toneladas/ano. O impacto foi significativo na vida de mais de 7,4 mil pessoas entre cooperados, colaboradores e familiares. Outro impacto positivo desta automação de processo, além do aumento de escala, foi a reflexão sobre a importância de reduzir o desmatamento da floresta para preservar a fonte de renda.

Emocionado, o presidente da coop, José de Araújo, ressaltou que só o cooperativismo permite chegar tão longe. “Somos um time de pessoas com compromisso, leais e que busca sabedoria para chegar ainda não foi possível. Se as políticas públicas contribuem, conseguimos chegar mais rápido e em mais lugares. Se não tivermos essa ajuda, chegamos também. Pode ser um pouco mais lento, mas chegamos”.

O Sicredi Alto Uruguai RS/SC/MG (RS) conquistou o segundo lugar, com o case Portal Da Aceleração Regional Em Prol Do Desenvolvimento. A Castrolanda (PR) ficou em terceiro com o projeto 60 Dias Para Inovar - Programa Ágil Castrolanda.

Intercooperação

Condecorar projetos desenvolvidos por duas ou mais coops para viabilizar objetivos comuns é o objetivo da categoria Intercooperação. E o grande destaque deste ano foi a parceria entre a LAR e a Copagril (PR), com o projeto Aliança Estratégica de Intercooperação na Avicultura de Corte.

As coops somaram forças para manter a renda dos associados e agregar valor, possibilitando maior escala de produção. Elas ampliaram o sistema e criaram a quarta maior indústria produtora de frango do país. Por consequência, aumentaram os postos de trabalho, que saltaram de 2.153 para 2.520. As coops também contam com 400 estruturas em toda a região e 40 mil pessoas, entre associados e funcionários, foram impactadas positivamente com o compartilhamento de custos, investimentos e oportunidades.

O presidente da Copagril, Ricardo Chapla, agradeceu a premiação e lembrou que o cooperativismo brasileiro ainda tem muito a crescer. “Ainda temos inúmeros frutos a produzir. Junto com a Lar temos outras parcerias e buscamos atuar sempre em prol do cooperado que é nossa maior preocupação, sempre”.

Irineo Rodrigues, presidente da Lar, acrescentou que foram anos pensando em como gerar escala e viabilizar a avicultura na região, uma vez que a maior parte dos nossos cooperados são de pequeno porte. “Hoje já são mais de 1,3 mil produtores que representam a quarta maior indústria de frango do país”. 

O segundo lugar em Intercooperação ficou com as coops Coopafs e Ccampos (PA), que desenvolveram o projeto Plano de Investimento para Capital de Giro na Agricultura Familiar Durante a Pandemia da Covid-19. Já a Coopmetro e Coomap (MG E BA) garantiram a terceira colocação com a iniciativa Coomap & Coopmetro - Construindo um Transporte Mais Cooperativo.

Influenciador Coop

A categoria que conta com votação popular para a escolha dos vencedores, tem por objetivo condecorar a personalidade que se destacou ao desenvolver conteúdos positivos sobre o coop em produções publicadas ou replicadas nas mídias on e off-line, nos últimos dois anos. As indicações dos candidatos foram feitas pelas Unidades Estaduais, que inscreveram até dois profissionais cada.

E o grande vencedor foi Marcelo Vieira Martins, diretor executivo da Unicred União, cooperativa financeira com R$ 2 bilhões em ativos, 22 mil cooperados e atuação no Paraná e Santa Catarina. Com uma trajetória de 25 anos no Sistema Unicred, Marcelo é um apaixonado pelo cooperativismo, que considera a mais equilibrada forma de organização humana porque produz de verdade, distribui de modo justo e cada um é livre para participar.

“É uma alegria muito grande receber esse prêmio. São 25 anos de cooperativismo, mas a consciência sobre a importância desse movimento só veio anos depois. Hoje nosso desejo é o de difundir cada vez mais para levar o mais longe possível o alcance de suas ações. Quero agradecer minha equipe, minha família e a todos que me apoiaram”.

No total, foram 35.909 votos para a escolha do Influenciador Coop 2022. Rita Mundin, vencedora em 2020, participou da entrega do prêmio e fez um apelo aos participantes. “Estou muito emocionada e convido todos a assumirem o compromisso de serem influenciadores coop porque o mundo precisa do cooperativismo. Vamos trabalhar para que o nosso movimento seja reconhecido como o modelo mais justo de organizar e remunerar as cadeias produtivas”.

 

imagem site coop

Expoabra é palco de fórum sobre o cooperativismo no DF

O Sistema OCDF-SESCOOP/DF promoveu na tarde de quinta-feira, 15 de setembro, o Fórum Cooperativismo no Distrito Federal. A atividade integrou a extensa programação da Exposição Agropecuária de Brasília (Expoabra), que está em sua 30ª edição e aconteceu no Parque de Exposições da Granja do Torto até sábado, 18. Foi uma oportunidade especial para apresentar a contribuição das cooperativas do ramo agropecuário em alavancar a produção das pequenas propriedades rurais instaladas no território brasiliense.

Remy Gorga Neto, presidente do Sistema OCDF-SESCOOP/DF, foi quem abriu as atividades do evento. Ele apresentou uma palestra em que detalhou o funcionamento do sistema cooperativista nos âmbitos nacional e distrital, ressaltando que o modelo de negócio proposto pelo cooperativismo é reconhecido pela sociedade, ao mesmo tempo em que é competitivo, íntegro e capaz de promover felicidade. Ele citou, na oportunidade, algumas das ações realizadas pelo Sistema OCDF-SESCOOP/DF com o objetivo de garantir e fortalecer a competitividade e a sustentabilidade das cooperativas em plena atividade no Distrito Federal.

O dirigente falou, ainda, sobre a presença do cooperativismo no evento, uma das mais importantes feiras de agronegócio da capital federal, que ficou sem ser realizada por alguns anos, mas que reuniu milhares de pessoas desde a sua abertura, no último dia 6.

“O cooperativismo estar presente em um evento desse porte é de fundamental importância. O setor agropecuário do Brasil é forte, tem uma relevância enorme e as cooperativas contribuem bastante para a consolidação desse cenário. A produção de pequenas propriedades, aquelas onde o carro-chefe é a agricultura familiar, por exemplo, contam com o apoio de cooperativas estruturadas e nós, enquanto Sistema OCDF-SESCOOP/DF, viemos até aqui reforçar essa importância e apresentar as soluções que temos para garantir a sustentabilidade dessas organizações que são cada vez mais fundamentais para o desenvolvimento do nosso território, gerando emprego e renda”, pontuou Remy.

Na sequência, os participantes puderam acompanhar, também, uma apresentação feita pelo diretor administrativo da OCDF, Ivan Engler. Ele, que também é presidente da Central Unium - primeira Central de Cooperativas do Agro do DF/RIDE - Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e da Cooperativa de Agricultura Familiar Mista do Distrito Federal (Coopermista) - falou sobre o dia a dia de um cooperativa agropecuária, sendo enfático em como o modelo cooperativista pode contribuir para o funcionamento de pequenas propriedades rurais.

Engler destacou que cooperados são donos e usuários da cooperativa, participam ativamente do processo de gestão e ainda podem usufruir de produtos e serviços firmados pela organização com empresas e outras instituições parceiras. “O cooperativismo é o modelo de negócios mais justo para se prosperar”, salientou ele.

Por fim, os participantes do fórum conheceram um pouco mais sobre baunilha, especiaria costumeiramente usada como aromatizante e que é obtidas de orquídeas do gênero vanilla, nativas do México, mas que podem ser encontradas no território brasileiro. O pesquisador da Embrapa Cenargen e biólogo especialista em botânica, Luciano Bianchetti, foi quem falou sobre o assunto destacando, primeiramente, a história da planta e em seguida os desafios e perspectivas para o cultivo da espécie no Brasil.

Bianchetti reiterou que a literatura sobre a vanilla presente no Brasil ainda está em fase inicial, mas garantiu que a produção de baunilha com características locais pode ser uma excelente alternativa para adeptos da agricultura familiar.

O evento também foi transmitido on-line e está disponível no canal da Expoabra no YouTube.

Veja mais fotos do evento: