Notícias eventos

 

Nova cultivar da Embrapa obtém melhor produtividade na região da Cocamar

"

Ao promover testes na recente safra 2012/2013 com a nova cultivar de soja BRS-360-RR junto a produtores em várias regiões do Estado, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Soja), sediada em Londrina, concluiu que a mesma pode ser uma aliada no esforço para o aumento da produtividade.

Alternativa - Ainda em fase de pré-lançamento, a cultivar se destacou principalmente na região da Cocamar, onde é apontada como uma alternativa para os próximos anos. No município de Floresta, a 30km de Maringá, o cooperado Ricardo Dolfini cultivou pouco menos de um alqueire com a BRS-360-RR e sua média foi o equivalente a 175 sacas por alqueire. De ciclo precoce, a cultivar não exigiu nada além do que já é feito para as demais, explicou Dolfini. “Gostei muito, valeu a pena”, afirmou o produtor, que nesta quinta-feira (5/4) esteve em Londrina, na abertura da ExpoLondrina, para participar de um evento organizado pela Embrapa, quando os resultados foram conhecidos. Ele obteve a melhor média de produtividade na classificação geral dentre todos os testes realizados com a cultivar.
 
Testemunha - O técnico agrícola Robson Fabro Arrias, da Cocamar/Floresta, que presta assistência ao produtor, explica que o teste foi feito tendo uma outra cultivar como testemunha, a qual produziu média equivalente a 169 sacas por alqueire. Ele informou que Ricardo Dolfini semeou no dia 3 de outubro e a colheita aconteceu no início de fevereiro. Tradicional produtor em Floresta, Dolfini cultiva 184 alqueires de soja e, na última safra, sua média geral foi de 150 sacas por alqueire.  
(Fonte: Cocamar)
"

Sistema de informações do Mapa facilita fluxo de produtos em portos

"

Regulamentado em abril do ano passado, o Sistema de Informações Gerenciais do Trânsito Internacional de Produtos e Insumos Agropecuários (SIGVIG) do Ministério da Agricultura (Mapa) tem economizado tempo e papel no despacho de mercadorias nos portos, aeroportos e fronteiras do Brasil. De acordo com técnicos do Mapa, são até 72 horas a menos para a liberação de produtos a partir do uso desse sistema.

Todo produto agropecuário que entra e sai do Brasil precisa ser fiscalizado pelo Ministério da Agricultura. Com a alta e crescente demanda das importações e exportações, o objetivo do SIGVIG é tornar esse processo cada vez mais rápido e eficiente. A ferramenta é informatizada e serve para gerenciar informações relativas à fiscalização das mercadorias de origem animal ou vegetal importadas e exportadas por meio dos portos, aeroportos e fronteiras.

Requerimentos - Desde que a ferramenta foi regulamentada, em abril do ano passado, já foram registrados 410,9 mil requerimentos para fiscalização de produtos e insumos agropecuários. Atualmente, cerca de 50% das 105 unidades do Mapa operam com a ferramenta. A perspectiva é que até o final deste ano já esteja em funcionamento em todo o País.

Certificação digital - A partir do segundo semestre deste ano será implantada a certificação digital, dispensando a entrega de documentos impressos nas unidades do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro). Além disso, um novo módulo do sistema começará a ser testado em abril e vai permitir a troca de dados com os terminais e recintos alfandegários pela internet, deixando o processo ainda mais rápido.

Grandes eventos - O Sigvig deve, ainda, ser integrado em breve a sistemas de outros órgãos governamentais. O objetivo é compartilhar informações sobre o trânsito internacional de passageiros para agilizar a fiscalização das bagagens de turistas que virão ao Brasil em grandes eventos como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo.
(Fonte: Mapa)
 

"

Sescoop reúne coordenadores do programa cooperjovem em SC

"

Para orientar os coordenadores das cooperativas participantes do programa Cooperjovem na elaboração de um plano de ação e estabelecer acompanhamento dos projetos educacionais, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo de Santa Catarina (Sescoop/SC) promoverá encontro nesta quinta e sexta-feira (4 e 5 de abril), em Florianópolis.Participarão 28 coordenadores de cooperativas que fazem parte do Programa Cooperjovem e as representantes da unidade nacional do Sescoop, Maria Eugênia Ruiz Borba (gerente de Promoção Social) e Ana Luiza Naves (coordenadora nacional do Cooperjovem).

Nesse encontro serão apresentadas as propostas para discussão em uma oficina de elaboração de projetos, moderada pela consultora pedagógica Maria Denise Crespo Nunes, da Educar Projetos e Consultoria. E também o novo Sistema de Gestão Educacional (SGE) e o projeto de teatro do Programa Cooperjovem.

A coordenadora de promoção social do Sescoop/SC, Patrícia Gonçalves de Souza, explica que o SGE é um sistema web que funcionará dentro do site da Ocesc e que permitirá o cadastramento do banco de dados online do programa. Dessa forma, facilitará o gerenciamento das informações e auxiliará o controle dos processos de acompanhamento dos professores capacitados e de inscrições das etapas da formação continuada.

Outro destaque do evento será a apresentação de um esquete teatral criado especialmente para o Cooperjovem. O teatro será desenvolvido este ano em parceria com as cooperativas e escolas participantes do programa. O projeto foi idealizado pelo Sescoop/SC e será realizado em parceria com a JC Oliveira Escola de Artes, de Curitiba (PR).

De acordo com Patrícia de Souza, “o Sistema de Gestão Educacional (SGE) e o projeto de teatro são duas iniciativas inovadoras dentro do programa em nível nacional e terão grande destaque na execução das ações previstas para este ano”.

Fundamentos - O Programa Cooperjovem tem por objetivo disseminar a cultura da cooperação, baseada nos princípios e valores do cooperativismo, por meio de atividades educativas em escolas públicas e cooperativas educacionais de todo o Brasil. O programa reforça o 5º e o 7º Princípios do Cooperativismo, almejando que a cooperação, base do sistema cooperativista, seja experimentada durante os processos de ensino-aprendizagem.
 
Em Santa Catarina, é desenvolvido em parceria com 23 cooperativas em 76 escolas da rede de ensino público, beneficiando mais de 500 professores e 18.000 alunos da educação infantil e do ensino fundamental em 43 municípios catarinenses.
 
Mais informações estão disponíveis em www.ocesc.org.br/cooperjovem.
 (Fonte: Ocesc)

 

"

Educadores cooperativos se encontram em Minas

"

Dando início às atividades de formação do ano, o Sistema Ocemg promoveu neste mês de março o 1º Encontro de Educadores Cooperativos de 2013. Na oportunidade houve a apresentação e distribuição do material didático do Programa Educação Cooperativa 2013, o compartilhamento de experiências entre os educadores, além de palestras e atividades voltadas aos professores para desenvolver o saber cooperativista.

O conselheiro do Sistema Ocemg José Ailton Junqueira de Carvalho, abriu o evento destacando em seu discurso a grande presença do cooperativismo no meio social e a importância de se trabalhar seus valores desde a base da formação humana. Em seguida, as coordenadoras do Programa, Thaís Leite e Riza Mayr, apresentaram a cronograma e as novidades para 2013.

Este ano passa a integrar o Programa as escolas do município de Luz, além de alunos do 6º ano. Já no que diz respeito ao conteúdo, as novidades foram a apresentação da Cartilha 5S, que aborda o conceito japonês dos cinco sensos, e da "Roda Viva Escolar - a roda de todas as vozes", atividades que serão desenvolvidas nas escolas e que visam integrar os alunos através de um espaço para debates, reflexões e diálogos.

Projeto Cooperação

No segundo dia, as atividades foram conduzidas pelo grupo "Projeto Cooperação". Formado também por educadores com experiência na área do cooperativismo, o grupo desenvolveu uma série de dinâmicas e oficinas com a intenção de trabalhar temas como cooperação, autoconfiança e o cotidiano nas escolas.

Estreantes

Educadores do 6º ano e do município de Luz receberam um trabalho a parte de integração ao Programa Educação Cooperativa. Além de uma apresentação detalhada da proposta, foi organizada uma rodada de reflexões e conversa com base na apresentação do documentário francês "Ser e Ter", que relata o cotidiano do educador e os múltiplos papéis que ele desempenha durante a formação das crianças. A partir daí, a coordenação do Programa e demais participantes tiveram a oportunidade de conhecer a realidade das escolas e dos novos integrantes.

O 1º Encontro de Comunicadores Cooperativos de 2013 aconteceu entre os dias 21 e 22/3, no Hotel Fazenda Canto da Siriema, em Jaboticatubas, e reuniu 160 educadores de escolas municipais de Esmeraldas, Guanhães, João Monlevade, Luz e da Coopen-BH.
 
(Fonte: Sistema Ocemg)
"

ABAG premiou jornalistas e estudantes que escreveram sobre agronegócio em 2012

"

Todos os anos, a Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto (ABAG/RP) incentiva e reconhece o trabalho jornalístico dedicado à divulgação de assuntos relacionados ao agronegócio regional e nacional por meio do Prêmio ABAG/RP de Jornalismo José Hamilton Ribeiro.  São concedidos premiações em duas categorias: “profissional” e “jovem talento”. Em ambos os casos, os jornalistas participam de  atividades práticas oferecidas pela ABAG/RP, que incluem um ciclo de palestras e visitas à Agrishow (importante feira internacional de tecnologia agrícola, realizada há 20 anos pela Abag), ao Instituto Agronômico de Campinas, às empresas Arysta, Basf, Dow, Ihara, Monsanto e Syngenta, além da sede da Cooperativa de Cafeicultores e Agropecuaristas de Franca (SP) – a Cocapec.

“Nosso prêmio é um dos mais jovens do Brasil e, em apenas cinco anos, mostra que veio para ficar e fazer a diferença para ao agronegócio e para o jornalismo”, avalia a diretora executiva da ABAG/RP, Patricia Milan. Os sete vencedores da categoria “Jovem Talento” tiveram suas matérias divulgadas em uma coletânia especial, distribuída em todo o País. Os textos tratam de cadeias produtivas, como café, laranja e cana-de-açúcar, abordando temas como a importância econômica e a sustentabilidade dos negócios. No total, 89 estudantes participaram das atividades relacionadas ao prêmio e, destes, sete tiveram seus trabalhos premiados.
 
O primeiro artigo da revista – assinado por Diego Moura, da Universidade Presbiteriana Mackenzie – traz uma avaliação do presidente da Organização das Cooperativas de São Paulo (Ocesp) e também diretor do Sitema OCB, Edivaldo Del Grande, sobre a grandiosidade do agronegócio brasileiro, especificamente no setor da cafeicultura. “Nós estamos conseguindo alimentar nossa população de uma maneira mais eficiente, mais eficaz”, afirma Del Grande, “E, de fato, o Brasil vive hoje um momento ímpar no agronegócio: o café brasileiro está na mesa do mundo todo. O produto, que perdeu espaço na economia brasileira de maneira considerável com a crise de 1929, reinventa-se a cada dia”.
 
A homenagem – O Prêmio ABAG/RP de jornalismo nasceu com o intuito de possibilitar a seus participantes uma imersão no mundo rural e em todos os elos que o circundam, antes, dentro e depois da porteira. “Não importa se é o tecnificado agronegócio, ou o mais simples produtor. A possibilidade de ver de perto a dinâmica e a força da agricultura brasileira valoriza todo o setor e possibilita que o jovem jornalista amplie sua visão sobre o tema, sobre a vida, e repasse esta informação ao seu público”, resume o patrono da premiação, o jornalista José Hamilton Ribeiro, apresentador do Globo Rural por 25 anos.
"

Mapa anuncia normas para importação durante grandes eventos

"

Foram publicadas no Diário Oficial desta segunda-feira, 18 de março, as normas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para importação de produtos de origem animal e vegetal de procedência estrangeira que serão utilizados na Copa das Confederações de 2013, Copa do Mundo de 2014 e eventos associados.

A instrução normativa do Mapa estabelece os procedimentos para importação de comidas e bebidas com o intuito de promover a agilidade no processo de autorização prévia para entrada dos produtos estrangeiros no Brasil.

Duas comissões técnicas serão responsáveis pela fiscalização dos produtos: a Comissão Técnica Central, instalada na Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA/Mapa), e as Comissões Técnicas Locais, que serão formadas nas Superintendências Federais de Agricultura das cidades sedes dos jogos e demais estados considerados estratégicos pela defesa agropecuária.

O procedimento de fiscalização não muda com a norma. Usualmente os responsáveis pelas importações devem notificar previamente a natureza dos produtos e a data de chegada ao Brasil. O que altera com as normas anunciadas é a rapidez quanto ao tempo de resposta às solicitações de produtos importados, especificamente durante os grandes eventos já citados.

De acordo com a legislação, a certificação de qualidade dos produtos será feita pelas unidades do Vigiagro (Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional), vinculado à SDA do Mapa. O trabalho de vigilância, que visa impedir a entrada de doenças e pragas no Brasil, ocorrerá nos portos, aeroportos e postos de fronteira.
(Fonte: Mapa)

"

Educação cooperativista é prioridade no Sistema Ocemg

"

O Programa de Educação Cooperativa, desenvolvido pelo Sistema Ocemg, retoma com força total suas atividades em 2013. Uma reunião agendada para os dias 21 e 22 de março, no Hotel Fazenda Canto da Siriema, em Jaboticatubas, marcará a retomada da ação. O objetivo do “Encontro de Formação de Educadores Cooperativos” é sensibilizar, mobilizar e formar educadores multiplicadores do 4º, 5º e 6º anos para desenvolverem o programa nas instituições de ensino onde lecionam.

Outra meta do encontro é promover a integração entre os participantes, além de fortalecer a consciência da cooperação como um princípio fundamental para a vida. A ideia da organização do evento é criar um ambiente colaborativo e favorável ao diálogo sobre a relevância do cooperativismo, principalmente, na formação das crianças. Participarão professores e coordenadores de escolas municipais de Esmeraldas, Guanhães, João Monlevade, Luz e da cooperativa de ensino localizada na capital do estado, Coopen-BH.
 
De acordo com a coordenadora do programa, Thaís Leite, a reunião servirá para estruturar as atividades ao longo de 2013. "Todo início de ano fazemos essa capacitação dos professores, novos e antigos, para mantê-los alinhados com o projeto. Até porque o material é sempre reformulado", explica.  Na ocasião, haverá apresentação do programa aos participantes, feita pelas coordenadoras, Riza Mayr e Thaís Leite, além da formação e preparação das equipes que irão trabalhar com os estudantes. Haverá atividades de convivência e a dinâmica "Desafio Cooperativo - A Consciência da Cooperação", feita pelos consultores do Projeto Cooperação.
 
Novidades - Algumas novidades marcam o Programa de Educação Cooperativa em 2013, como a participação dos alunos da rede pública do município de Luz nas ações do projeto.
"Outra novidade é a inclusão do 6º ano nos trabalhos do projeto. Como o programa é gradativo, a cada ano incorporamos uma série a mais. Inclusive, já estamos trabalhando em um material para o 7º ano, que participará das atividades em 2014", explica Thaís.
 
Segundo Thaís, a prioridade será trabalhar a "Roda Viva Escolar", uma atividade que visa incluir o aluno, cada vez mais, à rotina da escola e da sala de aula, por meio da conversação e das suas opiniões sobre o ambiente escolar, além da cartilha 5S, que será distribuída nas escolas para embasar os trabalhos dos professores. O material engloba o conceito japonês dos cinco sensos: de utilização ou descarte, ordenação, limpeza, higiene e autodisciplina e manutenção.
(Fonte: Sistema Ocemg)
"

Cooperativas já podem se inscrever para concorrer ao Prêmio Andef 2013

"

Estão abertas as inscrições para a 16ª Edição do Prêmio Andef, destinado aos profissionais dos setores de revendas e canais de distribuição, cooperativas, bem como vinculados a universidades e jornalistas. Esta edição 2013 também vai reconhecer os melhores projetos desenvolvidos pela indústria de defensivos agrícolas.

São três categorias para cada uma das premiações: boas práticas agrícolas, responsabilidade ambiental e responsabilidade social. Segundo informa a Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), os participantes (exceto jornalistas) podem fazer as inscrições até o dia 30 de abril pelo site: www.andefedu.com.br.

Já os profissionais de imprensa disputarão a categoria “Jornalismo” que será dividida em: jornais, revistas, TVs e ações de comunicações em cooperativas. Poderão participar jornalistas que tenham produzido matérias no período de 01/05/2012 até 29/03/2013 com temas ligados as boas práticas agrícolas, segurança alimentar, panorama da produção agrícola brasileira, sucessão familiar no campo, geração de emprego no campo, agroenergia e processos que minimizam os resíduos alimentares.

Para participar é preciso enviar o material para: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e para o endereço: Rua Umbu, nº 265 Sala 11 / Alphaville Empresarial / Campinas/SP / Cep: 13098-325 – A/C Alfapress Comunicações (16ª Prêmio ANDEF). A entrega oficial será no dia 24 de junho, no Esporte Clube Sírio, em São Paulo (SP).
(Fonte: Site Sou Agro)
 

"

Sescoop/SP participa e elogia 7ª CooperShow

"

O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de São Paulo (Sescoop/SP) esteve presente na 7ª CooperShow, em Cândido Mota. Durante dois dias, 31 de janeiro e 1º de fevereiro, o consultor da Regional Oeste, Ayries Lopes, e a consultora do Ramo Agropecuário, Flávia Sarto, participaram do evento, que contou com uma palestra promovida pelo Sescoop/SP: “Código Florestal: Os Desafios para Sua Implementação", ministrada por Leonardo Papp.

“O objetivo do Sescoop/SP para 2013 é acompanhar os desdobramentos do novo Código Florestal e verificar de perto sua implantação junto às propriedades rurais do estado, atuando junto aos produtores e suas cooperativas, se preciso for”, explica a consultora Flávia Sarto. “A palestra com o Leonardo Papp teve um público que contou com técnicos de cooperativas, cooperados e produtores rurais”.

A consultora do Sescoop/SP conta que essa foi sua primeira participação na feira. “Fiquei admirada com a organização, disposição dos ensaios agrícolas, participação de empresas reconhecidas do agrobusiness mundial, mostrando novas tecnologias e cultivares adaptados à região (solo e clima)”, cita.

A 7ª edição da CooperShow confirmou o crescimento do agronegócio regional e nacional, que se consolida nos avanços tecnológicos e nos mais diferentes níveis de um setor vital para a economia do País. “A cada ano, o evento tem melhorado sua organização e infraestrutura”, avalia o Ayries Lopes. “Um destaque é a participação de vários representantes de cooperativas da região, o que ressalta a importância da integração e intercooperação, com grande participação de um público composto por cooperados, produtores e estudantes. A CooperShow é um momento de troca de conhecimento de novas técnicas e transferência de tecnologia”, acredita o consultor do Sescoop/SP.
(Fonte: Sescoop/SP)

"

Produtos brasileiros se destacam na 38º FOODEX Japan 2013

"

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estará presente na 38º FOODEX Japan 2013, que ocorre de 5 a 8 de março de 2013, em Chiba, no Japão. A feira é uma parceria entre o Mapa e o Ministério das Relações Exteriores (MRE).

O estande brasileiro contará com 38 expositores que irão apresentar seus produtos. Entre eles, os setores de carnes (carne de frango e rã in natura e industrializada), café, mate, vinhos, cachaça, soja, açúcar, frutas, chocolates, massas, produtos de panificação, molhos e condimentos, produtos apícolas, confeitos e refrigerantes podem ser considerados os grandes destaques.

De acordo com o diretor do Departamento de Promoção Internacional do ministério da Agricultura, Marcelo Junqueira, o Japão é o maior importador de alimentos do mundo e um dos principais destinos das exportações brasileiras. “O mercado japonês é extremamente exigente e estratégico para o nosso agronegócio,” frisou.

A FOODEX é considerada um das maiores feiras de alimentos e bebidas da Ásia. Para o evento deste ano, são esperados 75 mil visitantes.
(Fonte: Mapa)

"

"Os pequenos no agronegócio paulista"

"

Em mais um artigo amplamente divulgado pela mídia paulista, o presidente do Sistema Ocesp, Edivaldo Del Grande, relata os avanços consideráveis alcançados por pequnos e médios agricultores de São Paulo ao longo de 2012. No texto, ênfase para o importante trabalho realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado (SAA), voltado especialmente aos pequenos produtores, geralmente reunidos em cooperativas.

O artigo foi veiculado, dentre outros, no Portal do Agronegócio, Agrolink, site Canal do Produtor, Folha de Avaré/SP, Jornal Cruzeiro do Sul (Sorocaba/SP), Jornal Cidade de Rio Claro/SP, Tribuna Regional (Rancharia/SP), Jornal A Gazeta (Cuibá/MT) e Diário de Ubiratã/MT.

Artigo
O cooperativismo paulista voltado ao agronegócio, com o apoio marcante da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado (SAA), fechou o ano de 2012 com avanços consideráveis. Isso, tanto pelos números atingidos em um ano difícil, reflexo da crise internacional, como pela magnitude das iniciativas implementadas em favor dos pequenos e médios agricultores.

Ressalte-se que essa atenção aos pequenos empreendedores é a essência do cooperativismo. No Estado de São Paulo, mais de 170 mil pequenos e médios produtores rurais conseguem se manter na atividade porque estão juntos em cooperativas. São as cooperativas que lhes dão condições de competir no mercado. São as cooperativas que lhes abrem as portas da tecnologia, diminuem os custos de produção e agregam valor aos seus produtos. Unidos em cooperativas, os pequenos se tornam grandes.

Os avanços no agronegócio paulista foram consequência direta da estreita colaboração entre a Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo (OCESP) e a SAA. A secretária de Agricultura Mônica Bergamaschi enfatiza que o foco é a “promoção do desenvolvimento rural sustentável, principalmente dos pequenos e médios agricultores, com o objetivo de gerar trabalho e renda e, com isso, garantir qualidade de vida no campo e desenvolvimento contínuo do agronegócio” no Estado.

Como exemplo dessa determinação do governo de evitar o assistencialismo puro e simples e substituí-lo por condições reais de geração de negócios temos o Pró-Implemento, lançado em maio passado e operacionalizado desde agosto. Ele oferece ao produtor a possibilidade de financiar seu equipamento ou implemento agropecuário a juros zero.

Pelo programa, podem ser adquiridos desde arados, carretas, aplicadores de calcário, de fertilizantes, grades niveladoras até lâminas de tratores, pás carregadeiras, plantadeiras, pulverizadores e roçadeiras, entre tantos outros implementos destinados a dar ao agricultor condições de plantar e colher mais. O prazo de amortização é de seis anos. A única exigência para obter o financiamento, de até R$ 150 mil por CPF, é o produtor estar enquadrado como beneficiário do Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (Feap).

Outro dado animador envolve o seguro rural, uma das maiores reivindicações de nossos agricultores cooperados, sempre às voltas com problemas climáticos, como vendavais ou períodos de seca, ou mesmo com a instabilidade de preços, como a que afetou neste ano os plantadores de laranja. Somente através do Feap, foram disponibilizados, em 2012, R$ 22 milhões para subvenção ao prêmio do seguro rural. De janeiro a novembro já haviam sido utilizados mais de R$ 14 milhões, atendendo a 7.510 produtores.

O esforço da Secretaria de Agricultura para facilitar e desburocratizar a atividade rural, viabilizando o acesso a mercados e promovendo projetos que adicionem valor à produção, aparece traduzido nos números do agronegócio paulista. O Estado é responsável por 56% da produção nacional de etanol, 61% da produção nacional de açúcar e 80% da produção nacional de laranja (é também o maior produtor mundial dessa fruta e detém 53% da produção mundial de suco de laranja). São Paulo é ainda o terceiro maior produtor mundial de café, o quarto maior produtor de carne de frango e o maior exportador nacional de carne bovina (30,3% em 2011).

De acordo com os dados do Instituto de Economia Agrícola (www.iea.sp.gov) e da SAA (www.agricultura.sp.gov.br), o agronegócio paulista é responsável por 30% do PIB do Estado e por 21,6% das exportações do agronegócio brasileiro (dados até outubro passado). Mesmo com decréscimo de 6,2% em relação a 2011, as exportações do agronegócio paulista atingiram US$ 18,22 bilhões de janeiro a outubro deste ano. As importações caíram (-5,7%), somando US$ 7,91 bilhões, o que resultou em saldo de US$ 10,31 bilhões na balança comercial do setor nos três primeiros trimestres.

Todos esses números mostram que os horizontes se ampliam quando existe vontade política, dedicação e determinação de ajudar nossos pequenos e médios produtores a se tornarem grandes. O estímulo às nossas cooperativas é um caminho, como foi reafirmado ao longo de 2012 nos eventos marcantes do Ano Internacional das Cooperativas, com efetiva participação da Secretaria de Agricultura.

A crise na economia mundial, que obviamente nos afeta, pode ser minimizada com mais qualidade e competitividade de nossos produtos. De mais tecnologia e inovação, ao lado de recursos para plantio, colheita, comercialização e seguro, é o que precisa o agronegócio, seja pequeno ou grande. Para tanto, é fundamental a sensibilidade e o empenho de órgãos como a Secretaria de Agricultura, como vem ocorrendo nos últimos tempos. A Ocesp e as cooperativas continuam a trabalhar pelo bem-estar de seus produtores cooperados, o que acaba refletindo inclusive na melhoria do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) em inúmeros municípios. Para estender os benefícios sociais a mais e mais pessoas, é necessário que o apoio e a parceria da Secretaria de Agricultura também continuem.
 
Edivaldo Del Grande - Presidente da Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo (Ocesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de São Paulo (Sescoop/SP)
 
"

Prêmio "Mulheres Rurais que Produzem o Brasil Sustentável" inscreve até 1º de fevereiro

"

As dez experiências de trabalho das mulheres do campo e da floresta mais destacadas receberão o prêmio de R$ 20 mil cada na premiação do "Mulheres Rurais que produzem o Brasil sustentável". Organizada pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), o concurso recebe inscrições até o dia 1º de fevereiro, pelo endereço eletrônico Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pela via postal para: Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM-PR) - Prêmio "Mulheres Rurais que Produzem o Brasil Sustentável", Via N1 Leste s/nº, Pavilhão de Metas, Praça dos Três Poderes, Zona Cívico-Administrativa, CEP: 70.150-908, Brasília-DF.

A premiação pretende dar visibilidade ao trabalho das mulheres do campo e da floresta, por meio de suas organizações produtivas, no fortalecimento da sustentabilidade econômica, social e ambiental, e geradoras da segurança e soberania alimentar no país; e foca na produção e na disseminação de conteúdos que subsidiem o fortalecimento da Política Nacional para as Mulheres com participação e controle social.

Além das dez ganhadoras dos prêmios em dinheiro, as 30 melhores organizações receberão um troféu peloreconhecimento do trabalho.

Poderão ser inscritas trajetórias e experiências que se destacam pela viabilidade econômica, social, cultural e ambiental de grupos de mulheres que integram organizações produtivas, associações e/ou cooperativas. É necessário que essas instituições sejam compostas por um mínimo de 70% de mulheres e tenham presença feminina na direção geral.

A cerimônia de entrega da premiação acontecerá em 8 de março de 2013, Dia Internacional da Mulher, em Brasília.
(Fonte: Globo Rural)

"

Soja e milho transgênicos embalam a supersafra

"

A participação das lavouras transgênicas aumentou dois pontos porcentuais tanto na soja quanto no milho de verão, chegando a 89% e 85%, respectivamente. O avanço foi apurado pela Expedição Safra durante 28 mil quilômetros de viagens pelas principais regiões agrícolas do país.

As sementes geneticamente modificadas (GMs) da oleaginosa e do cereal ganharam 2,16 milhões de hectares extras (1,72 milhão em Mato Grosso e 232 mil no Paraná), passando de 28,99 milhões para 31,15 milhões (ha). Isso numa temporada em que o incremento na área plantada, considerando sementes GMs e convencionais, somou 1,63 milhão de hectares nas duas culturas. A colheita dos dois produtos, que deve atingir a marca recorde de 118 milhões de toneladas, cresce com o uso da transgenia.

Houve aumento real na participação dos transgênicos nas lavouras brasileiras, embora a expansão tenha perdido ritmo, avaliou o agrônomo Robson Mafioletti, técnico da Organização das cooperativas do Paraná (Ocepar) que participa da Expedição Safra, projeto da Gazeta do Povo desenvolvido desde a temporada 2006/07.

Os 2,16 milhões de hectares equivalem a 6,09% do que o país planta nas duas culturas em 2012/13. Esse avanço, por outro lado, é o menor desde a liberação do plantio comercial de soja transgênica no Brasil, seis safras atrás. Na duas últimas temporadas, o incremento foi de 2,62 milhões (2011/12) e 6,21 milhões de hectares (2010/11), considerando soja e milho.

Tanto quem planta convencional quanto quem usa sementes GMs aponta como critérios a relação entre custo e rendimento e as questões agronômicas. "Mantenho 20% da área da soja com variedades convencionais para que possamos alternar o uso de agrotóxicos de diferentes princípios ativos", justifica Luis Alberto Novaes, que dedica 1,8 mil hectares à oleaginosa em Maracaju (MS).

Os bônus pagos aos produtores de soja convencional limitam a expansão da semente tolerante ao glifosato, mas frequentemente cobrem apenas custos adicionais. Os entrevistados relataram receber de R$ 2 a R$ 4,5 a mais por saca de soja não transgênica quando conseguem contratos especiais. A maioria comentou que esse adicional equivale às despesas extras com segregação e à queda na produtividade que acontece quando há infestação de plantas daninhas.

O predomínio dos transgênicos reduziu a disponibilidade de sementes convencionais no mercado, disse o produtor Hendrik Barkema, de Tibagi (PR). Dessa forma, mesmo quando o bônus é atraente, muitos produtores seguem plantando grãos GMs, contou.

Os casos de aumento na participação dos grãos convencionais são raros e apresentam variações pequenas. Na zona de abrangência da cooperativa Castrolanda, de Castro (PR), as sementes de soja não modificadas passaram de 7% para 10% da área plantada, disse o gerente de Negócios da empresa, Márcio Copacheski. Esses produtores esperam receber R$ 4 a mais por saca. No caso do milho, acrescenta o dirigente, não há segregação e a área dos transgênicos se aproxima dos 90%.

Quem aproveita o nicho de mercado da soja convencional consegue lucrar mais do que se produzisse soja transgênica. A avaliação é do diretor técnico da Associação Brasileira de Produtores de Grãos Não Geneticamente Modificados (Abrange), Ivan Paghi. Ele afirma que a própria expansão do uso da transgenia estimula a oferta de bonificação por parte dos importadores que buscam grãos tradicionais.

"Países como a Alemanha estão se fechando cada vez mais aos transgênicos. Existem empresas oferecendo R$ 5 de bônus por saca de soja convencional em Sorriso [MT], e sobre um preço de R$ 60", comemora. "Quanto mais transgênico, melhor para o produtor de grão convencional", pontua.

Um prêmio de R$ 3 por saca representa renda extra de R$ 180 mil a cada mil hectares, aponta, considerando produtividade de 60 sacas por hectare. O executivo soma como lucro ainda R$ 24 por hectare, valor médio referente aos royalties que deixam de ser pagos. "São R$ 204 mil a cada mil hectares. Um produtor com dez mil hectares pode arrecadar R$ 1 milhão a mais por safra."

O diretor técnico da Abrange avalia que os custos de produção do grão convencional se iguala ao do geneticamente modificado, dependendo das opções dos produtores, e que há disponibilidade de sementes convencionais tão produtivas quanto as transgênicas oferecidas pelas revendedores.

A Abrange foi criada em 2008 para mostrar que há mercado para os produtos convencionais. Estima que as sementes convencionais ainda ocupam ao menos 20% das lavouras de soja e milho brasileiras. Segundo Paghi, grandes produtores estão investindo na produção convencional, que deve voltar a crescer. A indústria de sementes, por outro lado, aposta na adoção cada vez maior dos transgênicos, multiplicando cada vez mais variedades modificadas.

O mercado prevê novo salto da soja GM em 2013/14, quando deve estar disponível para cultivo comercial a soja RR2. A semente vem sendo multiplicada mas ainda enfrenta restrições por não ter sido aprovada na China, principal cliente da soja brasileira. A Monsanto, detentora da tecnologia, informou que ainda aguarda a liberação chinesa.
(Fonte: Portal do Agronegócio)

"

"Dez anos em um"

"

Ultrapassamos a linha de mais um ano. Tenho a sensação de que tudo correu rápido demais. No entanto, desta vez, mais que a celeridade, a vastidão de conquistas e a notoriedade para o Cooperativismo é o que me falam mais alto.

Por decisão da Organização das Nações Unidas, 2012 foi aclamado o Ano Internacional das cooperativas. Como que a proclamação da ONU determinasse que tudo ou quase tudo devesse ocorrer para o reconhecimento e o respeito ao movimento cooperativista, assim foi feito.

Foi em 2012 que, finalmente, vimos aprovada a Lei 12.690, que confere regras claras para a organização e o funcionamento das cooperativas de trabalho. Também em 2012 a Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp) determinou a exigência do registro das cooperativas na Organização das cooperativas do Estado de São Paulo (Ocesp) para continuar a arquivar os seus atos. Medida que contribui significativamente para preservar e valorizar as cooperativas de fato e dificultar o funcionamento das cooperativas de fachada. Ainda, neste mesmo ano, em reconhecimento à importância do nosso movimento, a Jucesp reduziu os custos para arquivamentos dos atos Cooperativistas.

Outra clara demonstração de entendimento sobre a importância do Cooperativismo veio do Banco Central. O Bacen decidiu simplificar a contabilidade das cooperativas de crédito com ativos inferiores a R$ 200 milhões, e também de centrais de cooperativas de crédito com ativos menores que R$ 100 milhões. Determinação que dá maior competitividade ao setor e possibilita promover empréstimos a juros ainda menores, já que reduz custos administrativos. Também em 2012, o Banco Central autorizou a criação do Fundo Garantidor do Cooperativismo de crédito. Uma decisão importante, na medida em que passa a oferecer garantias aos investidores sobre os depósitos em cooperativas, prática comum aos bancos.

O Plano Safra da Pesca, lançado há menos de um mês, traz em seu escopo especial atenção ao Cooperativismo, prevendo R$ 4,1 bilhões de financiamento ao setor, que conta com duas linhas específicas: o Prodecoop e Procap-Agro. Pela primeira vez, o Plano determina ainda a criação de diversas bases de assistência técnica para atender as cooperativas em todas as regiões do país.

E, para completar, no mês de dezembro, a Câmara Federal aprovou em plenário a medida provisória que prevê desonerações tributárias com pertinência às atividades das cooperativas, principalmente no que diz respeito ao aproveitamento de crédito presumido dos insumos de animais vivos para os segmentos de carnes de aves, suínos e bovinos. Um pleito antigo e importante para o setor, que agora está nas mãos da presidente Dilma para sanção. O reconhecimento ao Cooperativismo foi também percebido no processo de discussão e aprovação do novo Código Florestal. O resultado não satisfez completamente o setor agropecuário, mas foi possível tornar mais próximo do ideal tanto para o Meio Ambiente quanto para o setor produtivo. E esse equilíbrio foi, de certa forma, balizado pelas cooperativas, formadas em sua maioria por pequenos produtores rurais que entendem a importância do Meio Ambiente para manter a sua atividade.

Como se vê, 2012 foi recheado de coisas boas. Na cerimônia de encerramento do Ano Internacional das cooperativas, em Manchester, Inglaterra, percebemos que não só no Brasil mas em todo o mundo o Cooperativismo avançou como nunca. A presidente da Aliança cooperativa Internacional (ACI), Pauline Green, afirmou que, em suas viagens a dezenas de países, constatou um grande impulso à promoção do Cooperativismo.

Assim como o mundo inteiro comemorou de alguma maneira, nossas cooperativas aderiram em prol do ano internacional. Várias cidades realizaram sessões solenes em suas casas legislativas em homenagem às cooperativas. Em alguns lugares tivemos grandes eventos culturais e Cooperativistas em praça pública. Os vereadores começam a entender que não somos sistema de um partido só ou que segue uma determinada ideologia. Pelo contrário, nossas frentes parlamentares reúnem representantes de todos os partidos, sejam da situação ou da oposição. E a população, principalmente nos municípios do interior, compreende cada vez mais que as cooperativas não são empresas comuns. As cooperativas são de seus cooperados, de seus trabalhadores. Elas não visam lucro para poucos; e, sim, distribuem melhor a renda, fazendo girar a economia e melhorar a Qualidade de vida em toda a região onde atuam.

2012 nos trouxe conquistas de lutas travadas há anos. Podemos dizer que avançamos dez anos em um. Mas agora é preciso nos concentrarmos em 2013, para que este novo ano seja ainda mais cooperativista. E o mundo, cada vez melhor.
(Fonte: JB)

"

Vencedores dos prêmios Cooperjovem são premiados em Brasília

"

“O Cooperjovem é o programa mais importante para a vida do cooperativismo. Se eu tivesse apenas um real para investir, como dirigente, investiria no Cooperjovem”, afirmou o presidente do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), Márcio Lopes de Freitas, ao dar as boas vindas e parabenizar os vencedores do 5º Prêmio Professor Cooperjovem e 6º Prêmio Nacional de Redação do Programa Cooperjovem, na manhã desta terça-feira (11/12), em Brasília (DF). Para Freitas, investir na educação cooperativa é plantar uma semente para ser colhida a longo prazo: “Seu efeito não é imediato, mas cria uma cadeia de reflexos que, sem dúvida, mudam a vida da comunidade. Esse é o papel de responsabilidade social das cooperativas”.

As premiações foram desenvolvidas pela instituição com o objetivo de estimular e fortalecer o conhecimento sobre o cooperativismo e para valorizar os professores que desenvolvem com seus alunos atividades baseadas nos conteúdos do Programa Cooperjovem. Os vencedores deste ano, do Prêmio Nacional de Redação, foram: na categoria I - Augusto Ferreira dos Santos, da Paraíba; Mikaela Ferreira Oliveira, de Goiás e Gabrielli Amanda Tavares, de Santa Catarina. Na categoria II - Nidya Ruthy Moreira Oliveira, do Piauí; Victor Emanuel Cruz de Oliveira, de Tocantins e Maria Eduarda Magnus Bauer, também de Santa Catarina. No Prêmio Professor Cooperjovem foram vencedores Marilei Balensiefer Lerner, do Paraná; Ana Cláudia Silva, do Mato Grosso do Sul e Francisco de Sousa Sonsin, também do Paraná. Os presidentes das unidades estaduais do Sescoop da Paraíba e de Tocantins, Andre Pacelli e Ricardo Khouri, respectivamente, acompanharam a cerimônia e receberam, também, uma homenagem dedicada às suas instituições.
 
Novidades – As edições deste ano trouxeram um diferencial: além dos tradicionais prêmios aos vencedores e às suas escolas, o grupo, composto por seis alunos e três professores, ganhou uma viagem à capital nacional do cooperativismo – Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul (RS). O roteiro tem início na tarde de hoje e segue por três dias. Na cidade onde se fundou a primeira cooperativa brasileira, eles conhecerão, de perto, o funcionamento de algumas delas.
 
A ideia, segundo a gerente de Promoção Social do Sescoop, Maria Eugênia Ruiz Borba, foi proporcionar uma experiência única e memorável, tanto aos professores quanto aos alunos. “Nossa intenção é mostrar a eles que o movimento cooperativista está presente no país como um todo. Para muitos deles, é a primeira vez que saem de suas cidades. Além da beleza natural do estado do Rio Grande do Sul, que nesta época do ano proporciona um espetáculo à parte com sua programação natalina, queremos que eles aproveitem a oportunidade e percebam que estão praticando uma cultura que também é um negócio e, no futuro, podem vir a se tornar os novos empreendedores do país, fazendo parte de uma cooperativa”, relatou a gestora.
 
Outra novidade na cerimônia deste ano ficou por conta da participação da “Turminha da Cooperação”. Os troféus e certificados foram entregues pelos personagens Juju, Kazu e Pinho, que encantaram a garotada.
 
Saiba mais – O Cooperjovem é desenvolvido pelo Sescoop desde o ano 2000, com o objetivo de fortalecer os princípios do cooperativismo e estimular a culçtura da cooperação entre os alunos de cooperativas educacionais e escolas públicas dos ensinos fundamental e médio. Atualmente, 13 estados executam o programa. O ano de 2012 encerra com mais de 72 mil alunos participantes e 3.100 professore capacitados, em 165 municípios brasileiros.
"

Sescoop/SC promove 2º Concurso Estadual de Desenhos do Programa Cooperjovem

"

Durante os meses de outubro e novembro, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Santa Catarina (Sescoop/SC) promoveu para as escolas participantes do Programa Cooperjovem o 2º Concurso Estadual de Desenho. O objetivo é estimular a criatividade e a expressão artística dos alunos de 1º ao 4º ano do ensino fundamental, por meio da criação de desenhos que retratem a cultura da cooperação vivenciada nas escolas. O tema desta edição foi “Cooperando por um mundo melhor”, em comemoração ao Ano Internacional das Cooperativas.

O concurso contou com a participação de 30 escolas parceiras do programa em Santa Catarina e ao todo foram inscritos 4.234 alunos, sendo 1.950 na Categoria I (1º e 2º ano) e 2.284 na Categoria II (3º e 4º ano). Na primeira fase de julgamento que foi realizada nas escolas, foram selecionados um total de 162 desenhos que foram avaliados pela Comissão Julgadora do SESCOOP/SC, a qual classificou os seis finalistas de cada categoria, que terão seus desenhos publicados no Calendário 2013 do Cooperjovem, que será distribuído para todas as escolas e demais parceiros institucionais do programa até o final do ano.

Os três primeiros colocados de cada categoria receberão: 1º lugar, um viagem com acompanhante para o Parque Beto Carrero World; 2º lugar, uma bicicleta; e 3º lugar, uma câmera digital, além de trofeú e certificado. A cerimônia de premiação para o primeiro colocado de cada categoria será realizada no dia 17 de dezembro, às 11h, no auditório da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), em Florianópolis.
(Fonte: Sistema Ocesc)
 

"

Cooperativistas de todo o Paraná se reúnem nesta sexta, em Curitiba

"

O Sistema Ocepar reúne hoje (7/12) dirigentes, cooperados e colaboradores de cooperativas de todo o Paraná, no Teatro Positivo, em Curitiba, durante o tradicional Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses. O evento é organizado para comemorar os resultados obtidos pelo setor ao longo do ano.

Estão sendo esperados cerca de 1.800 participantes. O governador Beto Richa, a ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, secretários de Estado, parlamentares e representantes de entidades parceiras estarão presentes. O Encontro inicia às 9 horas e tem encerramento previsto para às 16h30.

A programação contempla pronunciamento de autoridades, homenagens e uma palestra com o doutor em Educação, Mário Sérgio Cortella. Jovens cooperativistas vão apresentar um balanço do projeto “Você sabia?”, realizado entre os meses de setembro e novembro para celebrar o Ano Internacional das Cooperativas. Haverá ainda a apresentação da Família Lima e sorteio de brindes.
(Fonte: Sistema Ocepar)

"

Sescoop divulga vencedores dos prêmios Redação e Professor Cooperjovem

"

Um verdadeiro sucesso! É o balanço que o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) faz dos resultados alcançados com as edições de 2012 dos prêmios nacionais Redação e Professor, do Programa Cooperjovem. Realizadas com o objetivo de estimular e fortalecer o conhecimento sobre o cooperativismo e para valorizar os professores que desenvolvem com seus alunos atividades baseadas nos conteúdos do Programa Cooperjovem, as premiações tiveram os seus vencedores anunciados nesta semana. “Este é um programa que nos enche de orgulho e satisfação. Sabemos que é plantando a semente da cooperação que vamos colher um mundo melhor. O empenho e comprometimento das unidades estaduais participantes foram de extrema importância para o sucesso destas edições dos prêmios. Estão todos de parabéns por mais esta vitória do sistema cooperativista”, declarou o presidente do Sescoop, Márcio Lopes de Freitas.

O Prêmio Nacional de Redação do Programa Cooperjovem, em sua 6ª edição neste ano, obteve número recorde de inscrições. Foram cerca de 18 mil redações produzidas pelos alunos do programa, abordando o tema “Cooperativas constroem um mundo melhor”, em comemoração ao Ano Internacional das Cooperativas. Deste total, 52 trabalhos foram pré-selecionados pelas unidades estaduais do Sescoop, que enviaram-nos à Brasília para a seleção nacional. A comissão julgadora, então, escolheu os dez melhores em cada uma das duas categorias. Na primeira, de alunos cursando o 4º e o 5º anos, os três melhores colocados foram: Augusto Ferreira dos Santos, da Paraíba; Mikaela Ferreira Oliveira, de Goiás e Gabrielli Amanda Tavares, de Santa Catarina. Na categoria de alunos do 6º ao 9º anos, os vencedores foram: Nidya Ruthy Moreira Oliveira, do Piauí; Victor Emanuel Cruz de Oliveira, de Tocantins e Maria Eduarda Magnus Bauer, também de Santa Catarina.
 
O Prêmio Professor Cooperjovem, que em 2012 chegou à sua 5ª edição, também obteve números que superaram os anos anteriores.No total, 352 professores inscreveram seus projetos desenvolvidos junto aos alunos do programa com o objetivo de disseminar a cultura da cooperação e formar cidadãos participativos e conscientes de sua importância para a sociedade. Destes, 19 foram encaminhados à unidade nacional do Sescoop para avaliação da Comissão Julgadora, que selecionou como vencedores: Marilei Balensiefer Lerner, do Paraná; Ana Cláudia Silva, do Mato Grosso do Sul e Francisco de Sousa Sonsin, também do Paraná.
 
Eles serão contemplados com uma viagem à Nova Petrópolis (RS), a Capital Nacional do Cooperativismo. As crianças terão direito a levar um acompanhante legal e um professor indicado pelas respectivas escolas. Além disso, serão entregues também um notebook para a escola do aluno e professor vencedores ; um computador desktop para as escolas dos vice-campeões e um tablet para as escolas dos terceiros colocados. Na próxima terça-feira, o Sescoop realiza a cerimônia de premiação para os seis vencedores do Prêmio Nacional de Redação Cooperjovem. Será na sede do Sistema OCB, em Brasília (DF), a partir das 9 horas.
"

Estudantes conquistam prêmio com cooperativa de customização de roupas

"

O cooperativismo foi destaque na 9ª Feira do Jovem Empreendedor de São José dos Campos. Um grupo de dez alunas do 8º ano da escola municipal Áurea Cantinho Rodrigues conquistou o 3º lugar do Prêmio Profissional do Futuro, na categoria 8º ano. As estudantes apresentaram na feira a proposta de criação de uma cooperativa de customização de roupas – a Costumê. O grupo recebeu orientação do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de São Paulo (Sescoop/SP).
 
O prêmio foi entregue na noite de sábado, 24/11, durante encerramento da feira, que mostrou 46 trabalhos selecionados. A comissão julgadora contou com a participação de representantes do Instituto Embraer, Universidade Mackenzie, Instituto Ideia, entre outras instituições. Além do troféu e medalhas, as estudantes ganharam como prêmios um passeio para Ilha Bela e outro para o Hopi Hari.

As estudantes decidiram criar uma empresa cooperativista após a participação de palestra promovida pelo Sescoop/SP sobre o Ano Internacional das Cooperativas. “Ficamos animadas. Além de ser uma oportunidade de ter um negócio próprio, é uma atividade que todo mundo gosta de fazer”, ressalta Letícia Neve Jorge, uma das alunas do projeto.
 
O Sescoop/SP acompanhou e orientou as alunas com palestras e visitas a cooperativas durante um semestre. O plano de negócio da cooperativa inclui a missão da empresa e também a divisão de trabalho, com modistas, costureiras, administradores, vendedores, entre outras funções. “A opção pela cooperativa é muito importante para a formação dos jovens. Apesar da idade não permitir a criação de uma cooperativa, o projeto permite que essas alunas tenham contato com os princípios cooperativistas e possam criar uma opção de trabalho e renda para o futuro”, explica Rita Santos, consultora regional do Sescoop/SP. “O grupo está de parabéns pela iniciativa”, afirma.
 
A Feira do Jovem Empreendedor foi realizada entre os dias 20 e 24 de novembro em São José dos Campos. O evento tem como proposta apresentar ideias inovadoras que se transformaram em produtos e/ou serviços e que são apresentados ao público durante a feira. Os projetos fazem parte das atividades propostas por meio do Componente Curricular Profissional do Futuro de São José dos Campos. Os finalistas foram selecionados por uma comissão que adotou os seguintes critérios: criatividade, análise de mercado, sustentabilidade, viabilidade financeira, diferencial do empreendimento, qualidade do material gráfico e apresentação oral.
(Fonte: Sescoop/SP)

"

Ocemg reúne educadores para alinhar Programa de Educação Cooperativista

"

Com o objetivo de coroar as atividades de 2012 do programa "Educar para Cooperar, Cooperar para Crescer, Crescer para Ser" do Sistema Ocemg, cerca de 140 profissionais se reuniram durante o III Encontro de Formação de Educadores Cooperativistas, no último dia 22 de novembro, no Dayrell Hotel, em Belo Horizonte.

Na ocasião, foram apresentados os resultados em cada cidade contemplada pelo projeto, além de palestras motivacionais e um apanhado dos números de fechamento do programa em 2012.

Os trabalhos nas escolas envolveram reciclagem, fabricação de brinquedos, produção de desenhos, desenvolvimento de entrevistas com participação dos pais, entre diversas outras atividades que se multiplicaram para todas as séries das instituições.

Estiveram presentes professores, secretários e subsecretários de Educação das cidades de Esmeraldas e João Monlevade, que trabalham com crianças do 4º e 5º anos, do município de Guanhães, que iniciou o trabalho nas escolas este ano, e a Espaço Escola Coopen-BH, representando a capital.

A educadora da rede Municipal de Ensino de BH e ganhadora de diversos prêmios de educação, professora Fernanda Pedrosa, incentivou os participantes com sua experiência com o projeto Respeitável Público: a cooperação no Circo da Escola. O casal de educadores, Alberto Minardi e Mary Stela Ferreira Chueiri, falou sobre a importância da motivação dos alunos para que o trabalho seja bem feito e para que as crianças aprendam melhor.

Minardi falou ainda sobre o primeiro contato com as práticas cooperativistas pelos alunos. "A ênfase neste programa é a união, é a força do grupo e não existe nada melhor que um professor envolvido com a cooperação e envolvendo crianças com esses conceitos", frisou.

Para a professora Maria Aparecida, de Guanhães, a implantação do programa nas escolas municipais da região foi uma grande conquista este ano. A educadora frisa que é importante trabalhar conceitos de cooperativismo desde cedo com as crianças. "Estamos praticamente andando na contramão, pois, hoje, vemos sempre o individual prevalecendo sobre o grupo, e nós estamos falando sobre cooperação".

Saiba mais - O programa "Educar para Cooperar, Cooperar para Crescer, Crescer para Ser" é uma parceria entre o Sistema Ocemg, com as prefeituras locais e a Coopen-BH. O Encontro busca sensibilizar os educadores sobre a contribuição do cooperativismo para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.
(Fonte: Sistema Ocemg)

"